terça-feira, 14 de agosto de 2018

Resenha: Mahmundi – Para Dias Ruins


Cantora lança sucessor de disco anterior de muito sucesso

Mahmundi foi uma das boas revelações da música brasileira nos últimos anos ao entregar um pop retrô – direto dos anos 1980 – sem soar datado em seu trabalho lançado ano passado (clique aqui e leia a resenha de um dos melhores álbuns brasileiros de 2016). Sem perder tempo, o aguardado terceiro disco cheio de estúdio, chamado “Para Dias Ruins”, chegou no último dia 10 de agosto em todas as plataformas digitais. E agora por uma grande gravadora, a Universal, o aumenta a responsabilidade por parte dela.

O pop de Mahmundi é muito gosto de ouvir, não é repetitivo e não cansa em momento algum. Ao começar com "Alegria", ela mostra que dá para fazer esse tipo de música caprichada sem qualquer tipo de apelação. É romantismo puro colocado de forma simples em uma letra boa para cantar junto. Baseada no piano, "Outono" surge com uma delicadeza em uma faixa que deixaria qualquer compositor com inveja pela – de novo – simplicidade com que as coisas são transmitidas pela cantora.

Veja também:
Resenha: Bombino – Deran
Resenha: Carne Doce – Tônus
Resenha: Johnny Marr – Call the Comet
Resenha: Body/Head – The Switch
Resenha: Natalie Prass – The Future and the Past
Resenha: Parquet Courts – Wide Awake!
Resenha: Snail Mail – Lush


A sequência mostra "Tempo Pra Amar" e "Vibra", que colocam na mesa um estilo bem parecido com o feito no disco anterior, aquela pegada mais “oitentista” que lembra Marina Lima. Feita para pistas e – não duvido – para uma próxima novela da Globo, "Imagem" nasce uma mistura do antigo com o novo ao colocar as referências em uma faixa que já soa um remix – algo comum nos tempos atuais.

Depois da dança, o espaço para reflexão é aberto na balada "As Voltas". Carregada na melancolia e com um ar meio jazz, a canção é a mais bonita do disco, mas é em "Qual É A Sua?" que vemos como Mahmundi tem talento e material para ir muito longe na carreira. É uma canção absurdamente bonita, enquanto "Felicidade" é bem competente e "Eu Quero Ser o Mar" é uma ótima balada para encerrar o disco.

O título do disco é “Para Dias Ruins”, mas Mahmundi é tão boa que o trabalho serve para qualquer dia. Essa moça tem uma facilidade incrível em fazer música pop simples e direta, cheia de referências e autoral ao mesmo tempo, e mostra como dá para fazer música de boa qualidade no Brasil sem precisar apelar. Ouvir Mahmundi traz paz, faz refletir, pensar, rir e chorar. É assim que um disco deve ser.

Tracklist:

1 - "Alegria"
2 - "Outono"
3 - "Tempo Pra Amar"
4 - "Vibra"
5 - "Imagem"
6 - "As Voltas"
7 - "Qual é A Sua?"
8 - "Felicidade"
9 - "Eu Quero Ser o Mar"

Avaliação: ótimo




Me siga no Twitter e no Facebook e assine o canal no YouTube. Compre livros na Amazon e fortaleça o trabalho do blog!

Saiba como ajudar o blog a continuar existindo

Gostou do post? Compartilhe nas redes sociais e indique o blog aos amigos!

Continue no blog: