terça-feira, 19 de junho de 2018

Resenha: Snail Mail – Lush


Projeto tem a guitarrista Lindsey Jordan como líder

Não sei se é impressão ou coincidência, mas está havendo um movimento muito promissor de guitarristas mulheres surgindo nos últimos tempos na cena indie. A mais famosa até o momento é Courtney Barnett com seus discos incríveis (clique aqui e aqui para resenha de ambos). Mais recentemente, Lindsey Jordan surgiu com um projeto chamado Snail Mail. Depois do EP Habit (2016), o disco Lush foi lançado neste ano pela gravadora Matador – sempre uma esperança de bons discos.

"Intro" tem uma introdução baseada na guitarra e no vocal cheio de efeitos, e realmente ajuda a colocar o pessoal no clima do álbum. A segunda faixa, "Pristine" dá ao trabalho um tom um pouco mais acima em uma letra bem melodramática sobre não conseguir deixar de pensar determinada pessoa.

Veja também:
Resenha: Father John Misty – God's Favorite Customer
Resenha: Courtney Barnett – Tell Me How You Really Feel
Resenha: Lake Street Dive – Free Yourself Up
Resenha: Leon Bridges – Good Thing
Resenha: Ben Harper e Charlie Musselwhite – No Mercy in This Land
Resenha: Manic Street Preachers – Resistance Is Futile
Resenha: Tal National – Tantabara


Na terceira e quarta faixas, "Speaking Terms" e "Heat Wave" respectivamente, gosto muito das escolhas melódicas. Enquanto a primeira é mais leve para abordar o pesado tema que é o término de uma relação. A segunda começa no mesmo embalo da anterior, mas usa os efeitos no refrão para dar mais potência ao recado aos "olhos verdes". Mas a grande canção do álbum é "Stick". De letra bem melancólica, ela mostra uma ótima capacidade em construir tudo com um tom bem bonito e cheio de delicadeza.

"Let's Find an Out" traz um clima acústico ao disco, que não continua em "Golden Dream" – retorno do estilo do início do álbum. E "Full Control" recoloca o tema relacionamento na roda com outra canção com um refrão muito melancólico (I'm in full control/ I'm not lost/ Even when it's love/ Even when it's not). Na parte final, ela usa de metáforas ("Deep Sea") para falar sobre relacionamento e como a solidão gera um enorme vazio ("Anytime").

Os temas do disco refletem bem a urgência da idade da guitarrista. Aos 19 anos, qualquer coisa que acontece em nossas vidas é motivo de euforia ou tristeza profunda. Na estreia em um disco cheio, ela mostra possibilidades de ir além com a maturidade.

Tracklist:

1 - "Intro"
2 - "Pristine"
3 - "Speaking Terms"
4 - "Heat Wave"
5 - "Stick"
6 - "Let's Find an Out"
7 - "Golden Dream"
8 - "Full Control"
9 - "Deep Sea"
10 - "Anytime"

Avaliação: muito bom




Me siga no Twitter e no Facebook e assine o canal no YouTube. Compre livros na Amazon e fortaleça o trabalho do blog!

Saiba como ajudar o blog a continuar existindo

Gostou do post? Compartilhe nas redes sociais e indique o blog aos amigos!