terça-feira, 17 de julho de 2018

Resenha: Body/Head – The Switch


É o segundo disco de estúdio do projeto de Kim Gordon e Bill Nace

Kim Gordon é dessas pessoas que tem a arte correndo nas veias. Muito antes de fazer parte do Sonic Youth, uma das grandes bandas do rock alternativo dos anos 1980, ela já pintava e participava de uma comunidade artística – primeiro em Los Angeles, depois em Nova York (como ela mesma conta na ótima autobiografia "A Garota da Banda").

O Body/Head é um dos dois projetos musicais da baixista após o fim do Sonic Youth – o outro é o também ótimo Glitterbust (clique aqui e leia a resenha do álbum). The Switch é o segundo trabalho do Body/Head, em que Gordon tem uma parceria com Bill Nace. Se o primeiro, Coming Apart (2013), tem mais de uma hora, esse segundo tem um pouco menos. Mas ambos trabalham muito o lado experimental e mais artístico da música e suas diversas formas de extrair som dos instrumentos.

Veja também:
Resenha: Natalie Prass – The Future and the Past
Resenha: Parquet Courts – Wide Awake!
Resenha: Snail Mail – Lush
Resenha: Father John Misty – God's Favorite Customer
Resenha: Courtney Barnett – Tell Me How You Really Feel
Resenha: Lake Street Dive – Free Yourself Up
Resenha: Leon Bridges – Good Thing


"Last Time" mostra bem isso logo na abertura. Com seus quase oito minutos, a faixa mostra todo lado melancólico e brutal que só a música experimental consegue colocar no mundo com tanta franqueza. E também mostra que não vai agradar qualquer tipo de pessoa, o que é perfeitamente natural. E logo depois começa "You Don’t Need", tão urgente quanto a anterior ao reforçar o lado experimental da dupla.

Com um lado bem sombrio, "In The Dark Room" faz jus ao título ao usar todo tipo de efeito no pedal para distorcer a guitarra e transformar a faixa em uma trilha de filme de terror. "Change My Brain" aparece sem nem pestanejar e espanta por seus mais de dez minutos de pura “loucura organizada”, se é que existe um termo ou uma palavra para definir o som do Body/Head.

"Reverse Hand" começa diminuindo muito o ritmo e volume, quase uma espécie de descanso, um fim de show em que todas as forças e loucuras foram até o limite do aceitável para criar essa onda de sons e vibrações com muita distorção. Mas tudo volta – eu levei um baita susto da primeira vez que ouvi – mais forte do que nunca e ainda mais barulhento, pelo menos no início.

O Body/Head é um projeto muito experimental em que Kim Gordon e Bill Nace usam suas próprias experiências em diversos aspectos da arte para transformar qualquer coisa em música. Ou barulho. Ou ambos, dependendo do seu ponto de vista. Nesse caso aqui, muito específico, a arte está acima em um disco muito bom, mais uma vez.

Tracklist:

1 - "Last Time"
2 - "You Don’t Need"
3 - "In The Dark Room"
4 - "Change My Brain"
5 - "Reverse Hand"

Avaliação: ótimo




Me siga no Twitter e no Facebook e assine o canal no YouTube. Compre livros na Amazon e fortaleça o trabalho do blog!

Saiba como ajudar o blog a continuar existindo

Gostou do post? Compartilhe nas redes sociais e indique o blog aos amigos!