Mais no blog:

sexta-feira, 23 de abril de 2021

Discos para história: Seu Piano e seu Órgão Espetacular, de Ed Lincoln (1961)


História do disco

Muita gente não tem ideia do sucesso do sambalanço nos anos 1960. O subgênero nascido nos bailes e boates no Rio de Janeiro era simplesmente um estouro entre jovens e adolescentes da época e um contraponto ao movimento da bossa nova, nascido quase na mesma época e mais sério. Um dos responsáveis pela consagração do estilo foi Ed Lincoln, pianista, organista e uma das grandes referências do estilo.

Cearense de nascimento, Ed Lincoln começou a tocar piano muito cedo e, aos 13 anos, chegou a formar um trio com a irmã e um amigo. Mas foi apenas cinco anos depois, aos 18, que ele realmente entrou na música. Ao entrar em um concurso musical organizado pela Rádio Roquette Pinto para tentar pagar a faculdade de arquitetura, ele acabou chamando atenção de um pessoa para lá de importante: o pianista Johnny Alf. Disso, surgiu um convite para fazer parte de uma banda para tocar contrabaixo, instrumento que não tinha a menor intimidade. Ele topou fazer parte do grupo, comprou um instrumento e ensaiou durante uma semana até o dia do show no Plaza Hotel, no Rio de Janeiro, do Trio Plaza com Luiz Eça ao piano e Paulo Ney no violão.

Mais discos dos anos 1960:
Discos para história: Coltrane Jazz, de John Coltrane (1961)
Discos para história: Broto Certinho, de Celly Campello (1960)
Discos para história: Elvis Is Back, de Elvis Presley (1960)
Discos para história: O Amor, O Sorriso e A Flor, de João Gilberto (1960)
Discos para história: Joan Baez, de Joan Baez (1960)
Discos para história: Martinho da Vila, de Martinho da Vila (1969)

No mesmo período, Lincoln conheceu Geraldo Vandré, Sérgio Ricardo, Dick Farney e Tom Jobim, e conseguiu se destacar bastante, principalmente quando Eça deixou o grupo para estudar em Viena e o músico reformou o trio ao assumir o piano, com Baden Powell na guitarra, Luiz Marinho no baixo e Claudette Soares como vocalista. Nesse período, participou da gravação do LP ao vivo "Uma Noite no Plaza", de 1955, e "Noite e Dia", de 1956, trabalho em que foi convidado pelo violonista Luiz Bonfá, além de trabalhar na banda de Farney.

A virada na carreira do músico veio a partir de um acidente. Baixista n'Os Milionários do Ritmo, banda de apoio do pianista Djalma Ferreira, ele foi chamado às pressas para substituir Ferreira que, ferido por um tiro por conta de uma rivalidade, não poderia tocar na boate Drink, onde fazia a residência com o grupo. Ed Lincoln teve apenas algumas horas para aprender a tocar órgão Hammond B3, objeto de desejo há algum tempo, mas que era proibido de tocar. O instrumento acabaria virando a grande marca registrada dele até o fim de carreira.

Veja também:
Discos para história: Samba 808, de Wado (2011)
Discos para história: Acústico MTV, de Cássia Eller (2001)
Discos para história: V, da Legião Urbana (1991)
Discos para história: Roupa Nova, do Roupa Nova (1981)
Discos para história: Roberto Carlos, de Roberto Carlos (1971)
Discos para história: Gospel Train, de Sister Rosetta Tharpe (1956)

Mas foi no início dos anos 1960 que o músico conseguiu a independência da carreira ao assinar com o Musidisc, selo musical criado por Nilo Sergio, em que também atuou como diretor musical. A parceria entre eles rendeu muito sucesso, principalmente pela alta qualidade das gravações, das músicas e dos músicos escolhidos a dedo. Uma diferença fundamental da Musidisc para a concorrência é que era o único que contava com um gravador de quatro canais e uma câmara de eco de alta qualidade, algo fundamental para o alto nível dos trabalhos chamados "masterpiece séries".

A consagração veio com a gravação de "Seu Piano e seu Órgão Espetacular", o segundo disco pela gravadora. Foi com esse trabalho que ele conseguiu popularizar o sambalanço ao mostrar que música de qualidade é sempre feita com bons músicos, bons compositores e bons donos de gravadora, além de deixar claro que a inclusão de instrumentos elétricos no estilo, como o órgão e a guitarra, chegariam para ficar. Ele ainda lançaria outros quatro discos pela Musidisc até largar a carreira no início dos anos 1970, quando preferiu trabalhar em composições de jingles.

Gostou do post? Compartilhe nas redes sociais e indique o blog aos amigos!

Estou no Twitter e assine o canal no YouTube. Compre livros na Amazon e fortaleça o trabalho do blog!


Resenha de "Seu Piano e seu Órgão Espetacular"

O LP abre com a dançante e bonita "Nunca Mais". De tom melancólico, a faixa representa muito bem a época dos bailes realizados nas noites cariocas. Em "Confissão", o tom baixa de vez em uma balada tristonha cantada por Pedrinho Rodrigues, o vocalista preferido de Ed Lincoln, mas é em "Eu Não Tenho Onde Morar", de Dorival Caymmi, que a banda vira a chave para uma canção mais dançante em que o personagem principal passa por alguns problemas e acaba "morando na areia".

A animada "Amanhã Eu Vou" encaminha o ouvinte para a parte final do lado A do LP em que é possível ouvir o talento da banda que acompanhou Lincoln -- infelizmente, não creditada no disco ou em qualquer outro lugar*. Para fechar, surge a instrumental "T'Aimer Follement", faixa em que Ed Lincoln mostra todo seu talento como músico.

Para abrir o lado B, um medley de bastante sucesso nas apresentações: "Atire A Primeira Pedra", "Deus Me Perdoe" e "Pergunte Ao João". De compositores diferentes, o mérito aqui é conseguir conectá-las ao ponto de contar uma mesma história. E isso que é genial nos bailes e em bandas do tipo, essa facilidade em montar o repertório para não parar de tocar.

Não poderia faltar outra balada e ela surge em "Tristeza De Nós Dois", uma canção das mais tristes e de bonito arranjo. Aliás, como os discos eram bem gravados naquela época. Só craque. Para fechar, "Leçon De Baion" e "Vai Com Deus", que aqui ganha uma versão instrumental.

Morto em julho de 2012, aos 80 anos, Ed Lincoln morreu praticamente esquecido pelos historiadores e críticos, mas, recentemente, iniciativas do jornalista e escritor Tarik de Souza e do documentarista Fabiano Maciel ajudam a entender um pouco mais desse período da música brasileira. A bossa nova escreveu a história com méritos, porém o sambalanço merece mais reconhecimento por fazer muito sucesso entre o povo. E ninguém representou melhor esse momento do que Ed Lincoln.

Ficha técnica

Tracklist:

Lado A

1 - "Nunca Mais" (Ed Lincoln e Sylvio Cesar)
2 - "Confissão" (Djalma Ferreira e Luís Bandeira)
3 - "Eu Não Tenho Onde Morar" (Dorival Caymmi)
4 - "Amanhã Eu Vou" (Nilo Sérgio)
5 - "T'Aimer Follement" (A. Salvet, F. Robinson e J. Plait*)

Lado B

1 - "Atire A Primeira Pedra" (Ataulfo Alves e Mário Lago) / "Deus Me Perdoe" (Lauro Maia e Humberto Teixeira) / "Pergunte Ao João" (Helena Silva e Milton Costa)
2 - "Tristeza De Nós Dois" (Bebeto, Durval e Mauricio)
3 - "Leçon De Baion" (Daniel Marechal, Jadir Castro e Jean Rodor)
4 - "Vai Com Deus" (Luís Bandeira e Sylvio Cesar)

Gravadora: Musidisc
Produção: Nilo Sergio
Duração: 24min34s

Ed Lincoln: órgão e piano
Pedrinho Rodrigues: vocal nas faixas "Confissão", "Eu Não Tenho Onde Morar", "Amanhã Eu Vou" e "Tristeza De Nós Dois"

*se você souber o nome dos músicos e tiver como me mandar, fico grato e atualizo o post.

Continue no blog: