quinta-feira, 15 de fevereiro de 2018

Discos para história: A Girl Called Dusty, de Dusty Springfield (1964)


Cantora conseguiu encantar o Reino Unido com o primeiro disco de estúdio

História do disco

Fã do que ficou conhecido como R&B de Memphis e do soul lançado pela gravadora Motown, Dusty Springfield foi uma das grandes cantoras britânicas nos anos 1960. E foi graças a sua voz que algumas das mais famosas canções de sucesso nos Estados Unidos acabaram chegando ao outro lado do Atlântico e chegando aos principais postos das paradas de sucesso.

Nascida em 16 de abril de 1939, Mary Isabel Catherine Bernadette O'Brien estudou em um colégio de freiras na maior parte de sua vida. Lá, acabou ouvindo e ficando fã da cantora americana Peggy Lee, muito conhecida por suas profundas interpretações que deram vida a alguns clássicos do jazz. Ela e o irmão Tom começaram uma parceria que renderia frutos quando ambos deixaram a escola e puderam frequentar a vida noturna dos bares.

Mais discos dos anos 1960:
Discos para história: Mutantes, dos Mutantes (1969)
Discos para história: Mr. Tambourine Man, do Byrds (1965)
Discos para história: Os Afro-Sambas, de Baden Powell e Vinicius de Moraes (1966)
Discos para história: Samba Esquema Novo, de Jorge Ben (1963)
Discos para história: Kinks, do Kinks (1964)
Discos para história: Giant Steps, de John Coltrane (1960)

Pouco tempo depois, a cantora viu um anúncio no jornal em que duas moças procuravam uma terceira para entrar no Lana Sisters, formado por Iris Long e Lynne Abrams. Assim começou a carreira profissional de Mary Isabel. A passagem pelo grupo foi de 1958 a 1961. Apesar de curta, foi ali que ela desenvolveu seu estilo vocal no palco e aprendeu sobre turnês ao percorrer quase todo Reino Unido no período.

Por gostar da música negra americana, Springfield afastava-se cada vez mais da influência do jazz. Até que resolveu sair do Lana Sisters para formar um grupo próprio, chamado Springfields – formado com o amigo Tim Field e pelo irmão Tom. O mais incrível foi o sucesso rápido da formação, vendido para o público e imprensa como a resposta inglesa ao trio americano Peter, Paul e Mary. Foi nesse momento que a cantora adotou o nome artístico de Dusty Springfield.

powered by TinyLetter


O prêmio pelo sucesso no Reino Unido foi a presença de "Silver Threads e Golden Needles" no top 20 nas paradas dos Estados Unidos, suficiente para garantir uma turnê pelo país. Também foi na América que Dusty pôde ouvir nas rádios as vozes que tanto ouvia nos discos. "Eu fui profundamente influenciada por cantoras negras do início da década de 1960", disse ela, anos depois, ao jornal 'New York Times'. "Eu gostava de todos na [gravadora] Motown e da maioria dos artistas da [gravadora] Stax. Eu realmente queria ser Mavis Staples [à época, integrante dos Staples Singers]. O que eles compartilhavam em comum era uma espécie de força que eu não escutava nas rádios inglesas", completou.

Em 1963, os Springfields ainda conseguiram um top 5 na parada britânica com "Say I Won't Be There" antes de Dusty anunciar a saída. Era um movimento natural, já que ela estava se destacando mais do que os outros. Tanto era um movimento esperado, que demorou poucos dias para assinar o primeiro contrato solo – o grupo acabou no fim de outubro e ela assinou o contrato no início de novembro. Springfield também queria ser mais pop e interpretar canções dos mais diversos gêneros, não ficar presa ao estilo de trio vocal folk.

Veja também:
Discos para história: It's a Shame About Ray, do Lemonheads (1992)
Discos para história: Gunfighter Ballads and Trail Songs, de Marty Robbins (1959)
Discos para história: Physical Graffiti, do Led Zeppelin (1975)
Discos para história: Low, de David Bowie (1977)
Discos para história: Either/Or, de Elliott Smith (1997)
Discos para história: Strangeways, Here We Come, dos Smiths (1987)
Discos para história: Magical Mystery Tour, dos Beatles (1967)

"I Only Want to Be With You", primeiro single solo, foi um sucesso imenso ao mostrar a nova direção na carreira e tornando-a uma estrela de sucesso internacional ao colocá-la no top 20 nos Estados Unidos. Naquela época, ela era apenas a segunda artista inglesa a conseguir uma posição de destaque nas paradas britânica e americana – os Beatles foram os primeiros. Isso gerou o pedido rápido para o LP de estreia. E por que não gravar algumas das faixas que ela mais gostava? Era um pedido a toque de caixa, então não havia motivo para inventar.

Lançado em 17 de abril de 1964, apenas no Reino Unido, o disco chegou ao top 10 das paradas e consolidou a cantora como uma grande de sua geração, além de mostrar a seus conterrâneos a beleza do soul e R&B feitas nos Estados Unidos, que só teria sua própria versão do álbum meses depois.


Resenha de A Girl Called Dusty

Conhecida pela primeira vez na voz das Shirelles em 1961,"Mama Said" ganhou uma versão mais doce e, com ajuda das Breakaways no vocal de apoio, ganhou um 'jeitão' ainda mais dançante. A faixa seguinte, "You Don't Own Me", tem um tom mais melancólico, mas extremamente desafiador para época – não era fácil a mulher falar abertamente que nenhum homem era dono dela.

"Do Re Mi (Forget About the Do and Think About Me)" é uma faixa dançante e de arranjo bonitinho que segue bem a linha do 'easy listening' do pop dos anos 1960, bem diferente da agitada "When the Lovelight Starts Shining Through His Eyes", clássico e primeiro single de sucesso das Supremes. E dava para ver que Dusty Springfield era mesmo fã da Motown e dos artistas da lendária gravadora.



O disco também teve espaço para "My Colouring Book", cover de Barbra Streisand, e "Mockingbird", faixa que faria muito sucesso nos anos 1970 na parceria de Carly Simon e James Taylor no álbum Hotcakes (1974). O fim do lado A serviu para mostrar como a cantora tinha capacidade de cantar qualquer tipo de música.

O lado B começa com a ótima interpretação para a tocante "Twenty Four Hours From Tulsa", lançada por Gene Pitney poucos meses antes do lançamento do disco da cantora. E a versão de "Nothing" ganhou um ar dançante dos mais empolgantes para quem gosta de cantar e se dançar em lugares públicos, enquanto a interpretação para "Anyone Who Had a Heart", de Dionne Warwick, é para fazer qualquer pessoa com o coração partido chegar às lágrimas com muita facilidade.



Outra faixa das Shirelles presente no álbum é "Will You Love Me Tomorrow" tem um forte vocal de apoio que ajuda a destacar ainda mais o principal, já "Wishin' and Hopin' " e toda sua delicadeza no andamento saiu de lado B de um single de Warwick para virar top 10 nas paradas britânicas na voz de Springfield. Para encerrar, sem medo de ser feliz, a cantora apresenta uma ótima versão para "Don't You Know", de Ray Charles.

Um ponto fundamental para entender o disco é perceber que Dusty Springfield conseguiu gravar covers de canções relativamente novas com um frescor único. Por conta de sua entrega, é como se ela fosse dona de forma das faixas e não houvesse outras interpretações. E outra coisa: poucas conseguiram cantar tão bem a melancolia do amor quanto Springfield, ainda que usando as palavras de outras pessoas.



Ficha técnica

Tracklist:

Lado A

1 - "Mama Said" (Luther Dixon, Willie Denson) (2:14)
2 - "You Don't Own Me" (John Madara, David White) (2:30)
3 - "Do Re Mi (Forget About the Do and Think About Me)" (Earl King) (2:20)
4 - "When the Lovelight Starts Shining Through His Eyes" (Lamont Dozier, Brian Holland, Edward Holland, Jr.) (3:07)
5 - "My Colouring Book" (Fred Ebb, John Kander) (3:03)
6 - "Mockingbird" (Inez Foxx, Charlie Foxx) (2:34)

Lado B

7 - "Twenty Four Hours From Tulsa" (Burt Bacharach, Hal David) (3:07)
8 - "Nothing" (Frank Augustus, Bob Elgin, Clarence Lewis Jr.) (2:29)
9 - "Anyone Who Had a Heart" (Burt Bacharach, Hal David) (3:11)
10 - "Will You Love Me Tomorrow" (Gerry Goffin, Carole King) (2:40)
11 - "Wishin' and Hopin' " (Burt Bacharach, Hal David) (2:56)
12 - "Don't You Know" (Ray Charles) (2:53)

Gravadora: Phillips
Produção: Johnny Franz
Duração: 28min37s

Dusty Springfield: vocal e vocal de apoio
The Breakaways: vocal de apoio
Ivor Raymonde: arranjos e condução da orquestra



Me siga no Twitter e no Facebook. E compre livros na Amazon e fortaleça o trabalho do blog!

Saiba como ajudar o blog a continuar existindo

Gostou do post? Compartilhe nas redes sociais e indique o blog aos amigos!