Mais do blog:

sexta-feira, 28 de junho de 2019

Discos para história: Aracy de Almeida Apresenta Sambas de Noel Rosa, de Aracy de Almeida (1954)



História do disco

Por muitos anos na sua carreira, principalmente nos anos finais, Aracy de Almeida (1914-1988) ficou conhecida como a jurada ranzinza do Programa Silvio Santos. Mas, claro, ela foi muito mais do isso. Apesar de gostar mais de fazer teatro, principalmente comédias, ela não gostava de cantar profissionalmente. Foi por pura necessidade financeira, segundo Aracy mesmo disse em várias entrevistas ao longo da vida.

Mesmo não gostando, ela acabou sendo a cantora que melhor traduziu e cantou os versos de Noel Rosa (1910-1937), sambista que só fez sucesso de verdade depois de morto. Aracy de Almeida chegou a conhecer Noel pessoalmente e gravou um samba dele, mas foi a partir do fim dos anos 1940 e início da década seguinte, na boate Vogue, que ela começa a cantar o repertório dele a vera. Rosa estava ficando esquecido pelo público e, graças a ela, aconteceu esse resgate.

Mais discos dos anos 1950:
Discos para história: Amor de Gente Moça, de Sylvia Telles (1959)
Discos para história: The Atomic Mr. Basie, de Count Basie (1958)
Discos para história: Dance Mania, de Tito Puente (1958)
Discos para história: Luiz Gonzaga Canta Seus Sucessos com Zé Dantas, de Luiz Gonzaga (1959)
Discos para história: The "Chirping" Crickets, dos Crickets (1957)
Discos para história: Convite para Ouvir Maysa Nº2, de Maysa (1958)


Fundamental da história dela é compreender que ela conviveu com os grandes sambistas do Estácio, como Ismael Silva, Nilton Bastos, Alcebíades Barcelos, o Bide, além do pessoal da classe média que subiu o morro para conhecer o samba de lá -- entre eles, Noel Rosa. A intérprete viu as transformações do samba até chegar ao que conhecemos hoje. Também cantou marchinhas, mas seu negócio era a vida boêmia e não era incomum vê-la nas rodas de samba até o nascer do sol.

O disco lançado pela Continental fez parte projetos dela com a gravadora justamente para exaltar a discografia de Noel Rosa. Foram vários lançamentos entre 1950 e 1951. "Aracy de Almeida Apresenta Sambas de Noel Rosa", de 1954, é como se fosse uma espécie de melhores gravações dela. Na década seguinte, o foco seria mais nos shows e menos em gravações, sendo o último em 1981.

Veja também:
Discos para história: Make Yourself, do Incubus (1999)
Discos para história: Them Crooked Vultures, do Them Crooked Vultures (2009)
Discos para história: Technique, do New Order (1989)
Discos para história: Bayou Country, do Credence Clearwater Revival (1969)
Discos para história: Reggatta De Blanc, do Police (1979)
Discos para história: The Genius of Ray Charles, de Ray Charles (1959)

Certa vez, questionada em entrevista ao jornal "O Globo", confessou que o papel de jurada estava lhe cansando e revelou o que gostava mesmo de fazer. "Idade? Não digo, sou Matusalém e estou numa boa. O que eu gostava mesmo era de andar atrás do Noel, o único que acreditava em mim e me deu grandes sucessos".


Resenha de "Aracy De Almeida Apresenta Sambas de Noel Rosa"

"Feitiço da Vila" abre o trabalho com um arranjo tão bonito em uma bela homenagem a Vila Isabel (São Paulo dá café/ Vila Isabel dá samba). E a voz de Aracy de Almeida consegue unir os predicados da letra, a transformando, sem dúvida, na grande intérprete de Noel Rosa. Só ela para passar tanto sentimento, já que ela pôde conviver com o compositor e com os melhores sambistas daquela época. Depois vem "Pra Que Mentir", essa uma biografia de uma desilusão amorosa de uma das muitas vidas na vila.


O "Último Desejo" é o tipo de música feita ouvir se você estiver bem e 100% consigo mesmo. Se não, é tão melancólica que você vai chorar um monte de ouvi-la, já "Silêncio de Um Minuto" é um lamento sobre a morte de um amor que "ainda pesa na memória", porque foi "um amor cheio de glória". E "O X do Problema" exalta o amor pelo samba, como estar no meio "felicidade no mundo não há" e que não há nada no mundo que a faça sair de lá.



Um dos grandes sucessos de Noel Rosa é "Conversa de Botequim", uma bela história em forma de música de como era a vida naquela época. Uma curiosidade: o número citado foi tão usado, que a estatal da época o comprou e fazia propaganda com ele. Nesse álbum, "Não Tem Tradução" virou quase um tango de tão dramática que ficou, diferente da "Palpite Infeliz", que fecha o trabalho.

O disco é curto, não tem nem meia hora de duração, mas mostra como Aracy de Almeida conseguiu cantar com bastante maestria os sambas compostos na curta vida de Noel Rosa.



Ficha técnica

Tracklist:

1 - "Feitiço da Vila" (3:09) (Noel Rosa/Vadico)
2 - "Pra Que Mentir" (3:07) (Noel Rosa/Vadico)
3 - "Último Desejo" (3:10) (Noel Rosa)
4 - "Silêncio de Um Minuto" (2:22) (Noel Rosa)
5 - "O X do Problema" (2:52) (Noel Rosa)
6 - "Conversa de Botequim" (2:42) (Noel Rosa/Vadico)
7 - "Não Tem Tradução" (2:56) (Noel Rosa)
8 - "Palpite Infeliz" (3:07) (Noel Rosa)

Gravadora: Continental
Produção: -
Duração: 22 minutos

Aracy de Almeida: vocal
Orquestra da Continental: instrumentos diversos



Siga o blog no Twitter e no Facebook e assine o canal no YouTube. Compre livros na Amazon e fortaleça o trabalho do blog!

Saiba como ajudar o blog a continuar existindo

Gostou do post? Compartilhe nas redes sociais e indique o blog aos amigos!

Continue no blog: