Mais no blog:

quinta-feira, 24 de junho de 2021

Resenha: The Rise of the Synths, de Iván Castell


Assistido na 13ª edição do In-Edit Brasil, festival de documentários musicais, realizado dos dias 16 a 27 de junho


Duração: 90 min. Elenco: John Carpenter, Rubén Martínez, Dynatron, Scandroid, Carpenter Brut, Dance with the Dead. País: Espanha.

O synthwave é um fenômeno musical surgido no início dos anos 2000 que ganhou muita força nos últimos anos, quando novos artistas, inspirados pela música feita nas trilhas sonoras dos filmes dos anos 1980, resolveram revisitar o estilo e acabaram criando uma comunidade independente das gravadoras, que detesta rede sociais e prefere disponibilizar música de graça.

"The Rise of the Synths" é uma viagem pelo tempo para descobrimos como essa geração nasceu e, usando vários truques narrativos e referências dos anos 1980, o diretor Iván Castell usa da viagem no tempo, plot de "De Volta para o Futuro" (1985), como fio condutor dessa jornada que vai dos tempos atuais até a história da cultura pop no cinema e na música dos últimos 50 anos. E tudo isso é temperado pela maravilhosa narração do diretor John Carpenter, inspiração de todos os músicos que aparecem na tela.

Veja também:
Resenha: Rockfield - A Fazenda do Rock, de Hannah Berryman
Resenha: Sisters with Transistors, de Lisa Rovner
Resenha: All I Can Say, de Danny Clinch, Taryn Gould, Colleen Hennessy e Shannon Hoon
Resenha: The Rumba Kings, de Alan Brain
Resenha: Suzi Q, de Liam Firmager
Resenha: Moby Doc, de Rob Gordon Bralver
Resenha: The Go-go’s, de Alison Ellwood

Estou no Twitter e no Instagram. Ouça o podcast, compre livros na Amazon e fortaleça o trabalho do blog!

Começando pelo filme "Drive" (2011), primeiro trabalho de alguns deles, é possível conhecer histórias de vários artistas ao redor do mundo. Dos Estados Unidos até a Austrália, passando por Reino Unido, França e Bélgica, todos eles encontraram no synthwave uma forma de se expressar e expressar a arte que desejavam fazer com a música. A comunidade unida superou a desconfiança do retorno dos sintetizadores e foi pegando diversas referências modernas dos anos 1990, de Daft Punk a Nine Inch Nails, até chegar nos anos 1980, o auge do uso do instrumento.

Entre citações a Vangelis e Giorgo Moroder, os filmes são os grandes astros e principais inspirações dos músicos que desejam buscar aquela sonoridade ou fazer um trabalho inspirado nos grandes nomes da época. E, claro, também é uma grande homenagem a Carpenter, um diretor que começou a fazer música simplesmente por falta de dinheiro e, sem querer, desafiou estúdios em projetos hoje cultuados no mundo inteiro.

O mérito do longa está na edição esperta não se perder e focar na história que deseja contar, complementada por depoimentos que quem vive a cena. "The Rise of the Synths" mostra como uma geração está pronta para homenagear o que muitos consideravam brega recentemente. E não parece uma má ideia.

Avaliação: ótimo

Continue no blog: