segunda-feira, 30 de julho de 2018

Primeira experiência dos Beatles fora da música foi um fracasso


Anúncio do fechamento da Apple Boutique completa 50 anos nesta segunda-feira (30)

Os Beatles foram um sucesso comercial estrondoso enquanto estiveram em atividade. Quebras de recordes em cima de quebra de recordes, shows lotados, vendas de singles e discos a rodo. Musicalmente não há o que se questionar no grupo, o que não se pode dizer do tino comercial deles. Logo que o empresário Brian Epstein morreu, a coisa degringolou e eles precisaram lidar com um fracasso imenso fora da zona de conforto.

No fim de 1967, os Beatles estavam completamente perdidos sem a presença de Epstein. O empresário havia morrido poucos meses antes e a banda estava em meio a um retiro espiritual com o mestre espiritual Maharishi Mahesh Yogi. Assim que todos voltaram, ficou acertada a criação que uma empresa que teria os quatro como donos e serviria para substituir a Beatles Ltd. Assim nasceu a Apple Corps em janeiro de 1968.

A empresa nasceu do desejo dos quatro em investir em diferentes tipos de arte, além de centralizar as decisões – musicais ou não – após a morte de quem administrava a carreira deles desde o início. Da empresa principal nasceram outros braços: Apple Electronics (tecnologia), Apple Films (filmes e animações), Apple Publishing (livros e composições), as gravadoras Apple e Zapple, Apple Retail (roupas e acessórios) e o Apple Studio (gravação de discos).

Veja também:
Guerra comercial entre Estados Unidos e China afeta fabricação de sintetizador Moog
Fim da compra de música pelo iTunes marcaria fim de uma época
Ninguém soube explorar tanto uma crise na relação como Jay-Z e Beyoncé
Anthony Bourdain e o amor pela música
Live Nation compra Rock in Rio: vem um festival (ainda) mais igual aos outros?
O futuro chegou: receita de música por streaming supera vendas físicas


Um dos primeiros negócios envolvendo o nome era a "Apple Boutique", uma loja no varejo com a intenção de vender roupas, produtos e arte de maneira geral que teria como responsáveis John Lennon e George Harrison. Como boa parte do mundo Ocidental estava vivendo a era hippie e tudo mais, havia todo um conceito por trás do nascimento da loja. Palavras de Paul McCartney: "era um bonito lugar onde pessoas bonitas podiam comprar coisas bonitas".

Aberta em 7 de dezembro de 1967, a loja era identificável com uma fachada bem colorida. A pintura foi feita por estudantes de arte contratados por Barry Finch, dono da empresa responsável por cuidar da estruturação da loja – do projeto arquitetônico até o abastecimento do estoque com suas roupas extravagantes. Mas a pintura durou pouco tempo, já que comerciantes da região reclamaram junto ao Conselho de Westminster e a Apple precisou repintar o prédio em sua cor original.

"Se a parede pintada estivesse lá agora, estariam dizendo: 'Uau, olhe isso'. Mas foi algo típico das mentes estreitas que estávamos tentando combater. (...) Quase todo mundo era tão chato e, de repente, as pessoas perceberam que poderiam se divertir. Quando nos disseram que precisávamos nos livrar da pintura, a coisa toda começou a perder seu apelo", contou Harrison em "Beatles Anthology", série-documental sobre a banda lançada no início dos anos 1990.

Pete Shotton, colega de escola de John Lennon e Jenny Boyd, irmã de Pattie Harrison, mulher de George, eram os responsáveis por administrar o dia a dia da loja, que foi um verdadeiro fracasso. Muita gente não queria ou não podia pagar pelas roupas, então os roubos eram frequentes entre pessoas que entravam "só para dar uma olhadinha" e funcionários da loja. Após perder £ 200 mil (pouco mais de £ 3 milhões hoje, equivalente a quase R$ 15 milhões), Paul McCartney foi o responsável por soltar uma nota declarando o fim da loja.

Mais Beatles:
Na Prateleira: The Beatles - Live at Budokan
Discos para história: Magical Mystery Tour, dos Beatles (1967)
Há 55 anos, Beatles gravavam pela primeira vez em Abbey Road
Discos para história: Sgt. Pepper's Lonely Hearts Club Band, dos Beatles (1967)
Na Prateleira: Eight Days a Week - The Touring Years
Playlist: duas músicas de cada disco dos Beatles


"Decidimos fechar a nossa loja na Baker Street ontem e, em vez de colocar uma placa dizendo: 'Os negócios serão retomados o mais rápido possível' e depois vender as mercadorias, decidimos distribuí-las. (...) Originalmente, a loja tinha a intenção de ser outra coisa, mas acabou se tornando como todas as outras. (...) Os funcionários receberão três semanas de pagamento, mas, se quiserem, serão absorvidos pelo resto da Apple. Tudo o que aconteceu é que fechamos nossa loja na qual achamos que não devíamos, em primeiro lugar, estar envolvidos. (...) Queremos dedicar todas as nossas energias a discos, filmes e tecnologia", disse o baixista, em um resumo da nota original.

Na noite anterior ao fechamento, quem fazia parte da Apple, amigos e namoradas puderam pegar o que quisessem. Em 31 de julho, com a notícia dessa doação em massa de roupas, centenas de pessoas esperaram na porta principal e acabaram com todo estoque em poucas horas na base de um item por pessoa.

A Apple Boutique foi um dos primeiros fracassos dos Beatles nos negócios. Sem a experiência de administrar nada e ainda focados apenas em fazer música, a banda sairia disso ainda mais desconfiada do mundo empresarial e de como era difícil fazer as coisas sem ajuda. E isso só ajudaria a deteriorar ainda mais as relações do Fab Four, que lançaria o confuso "Álbum Branco" no fim de 1968. Seria o início do fim.



Me siga no Twitter e no Facebook e assine o canal no YouTube. Compre livros na Amazon e fortaleça o trabalho do blog!

Saiba como ajudar o blog a continuar existindo

Gostou do post? Compartilhe nas redes sociais e indique o blog aos amigos!