quarta-feira, 25 de abril de 2018

O futuro chegou: receita de música por streaming supera vendas físicas


Brasil lidera quesito na América Latina com crescimento de quase 18% em 2017

Finalmente, o inevitável aconteceu: a receita dos serviços que disponibilizam música por streaming superou as vendas físicas e os downloads digitais, segundo dados da Federação Internacional da Indústria Fonográfica (IFPI, na sigla em inglês), divulgados ontem (24).

A passagem de bastão era algo esperado há algum tempo e foi confirmada em um momento de consolidação do formato sob demanda não apenas na música, mas em outras áreas – do jornalismo ao entretenimento. Spotify, Apple Music, Deezer, Tidal e outros têm boa responsabilidade na nova fase de crescimento da indústria da música nos últimos cinco ou seis anos.

O aumento foi de 29% para 38% da fatia do bolo de US$ 17,3 bilhões da receita total – um aumento de pouco mais de 8% em comparação aos números de 2016. Segundo o IFPI, o aumento do consumo de streaming ajuda a diminuir a quantidade de pirataria online de materiais de músicos, cenário muito diferente do problema ainda enfrentado pelos estúdios de cinema.

Veja também:
Promoção 2 x 1, 60% de desconto... Promotores brasileiros são estranhos
Kendrick Lamar não precisa (mesmo) do Grammy
Ao culpar público, Jorge Vercillo esquece do papel das gravadoras
Show de Justin Timberlake no intervalo do Super Bowl foi ridículo, e isso não é um elogio
Na Prateleira: Aniversário de UM ANO DO CANAL
Angus Young e sobre perder dois irmãos


A Apple é um exemplo de como essa mudança no jeito de consumir música a beneficiou e a prejudicou. No início dos anos 2000, Steve Jobs pressionou as gravadoras para conseguir preços baixos no que viria a ser o iTunes, uma tentativa de diminuir a influência de sites piratas no auge da troca de arquivos entre usuários em meio a uma crise que acabou com cargos, derrubou CEOs e fechou lojas de discos pelo mundo. Quase duas décadas depois, a empresa é uma das responsáveis pela nova indústria da música com o Apple Music.

Mas, diferente do iTunes, os serviços de streaming acabam tendo um alcance muito mais global ao oferecer música "gratuita" – sim, entre aspas, porque o usuário que não paga precisa ouvir determinado número de propagandas após uma quantidade de minutos ouvidos de música. Os mercados que mais cresceram foram América Latina e China, com um aumento da receita geral com música quase 18% e pouco mais de 35%, respectivamente.

O crescimento no Brasil foi pouco mais do que o dobro da média do resto do mundo (17,3% a 8,1%), uma recuperação muito grande se considerarmos que a indústria local vinha de dois anos seguidos de retração (-1,7% em 2015; -3% em 2016). O consumo de música por streaming no Brasil foi de 64% em 2017 contra pouco mais de 41% no resto do mundo. Aliás, o mercado nacional digital de música já responde por 92% do faturamento total – o resto é de vendas físicas.

A expectativa ainda é de mais crescimento neste ano. Com a popularização dos smartphones entre as classes C, D e E, virando um bem de consumo essencial em todas as regiões do País, a tendência é aumentar ainda mais esse número. As pessoas estão buscando meios cômodos de ver programas, então não seria diferente com música. Ocupando o nono lugar no consumo mundial em streaming (atrás de Estados Unidos, Japão, Alemanha, Inglaterra, França, Coreia do Sul, Canadá e Austrália), existe a expectativa de chegar até o quinto lugar até o fim de 2018.


Muito disso vem do sucesso de artistas de grande consumo, como Ed Sheeran, e da nova geração que cresceu dependendo do digital e sem os vícios dos velhos artistas. Anitta, Luan Santana, Wesley Safadão, Simaria e Simaria, Nego do Borel e Pabllo Vittar são alguns desses exemplos recentes.

Porém o faturamento total de 2017 corresponde a apenas 31,6% do último grande auge da indústria da música, ocorrido em 1999. Uma projeção mostra que, mantendo esse ritmo de crescimento, é possível chegar ao mesmo patamar em 2030. Dá chegar lá? Sim, mas estamos falando de uma indústria que passou por transformações profundas vistas por todos. Lições foram – ou deveriam ter – sido aprendidas por todos os envolvidos.

Especular ou tentar adivinhar os rumos de um mercado que engloba música e tecnologia é muito difícil, principalmente pela velocidade de mudanças e criações de novos produtos. É bom levar em consideração que o Spotify, por exemplo, ainda não dá lucro ao gastar 0,70 com direitos autorais de cada dólar arrecadado – a entrada na bolsa de valores é uma jogada para ganhar mais dinheiro, com o ônus e o bônus disso. Sem dúvida, o crescimento da indústria é notório e deve ser comemorado, mas, como diria minha mãe, cautela a canja de galinha não fazem mal a ninguém.

Me siga no Twitter e no Facebook e assine o canal no YouTube. Compre livros na Amazon e fortaleça o trabalho do blog!

Saiba como ajudar o blog a continuar existindo

Gostou do post? Compartilhe nas redes sociais e indique o blog aos amigos!