quinta-feira, 28 de junho de 2018

Discos para história: The "Chirping" Crickets, dos Crickets (1957)


Trabalho é o primeiro de três lançados por Buddy Holly ainda em vida

História do disco

A história dos Crickets se confunde com o início do rock no meio dos anos 1950. Quando as paradas começaram a destacar Fats Domino e outros cantores e bandas com algo diferente do habitual então ouvido pelos adultos, as crianças e adolescentes da época se animaram. Não foi diferente com Charles Hardin Holley – futuramente conhecido como Buddy Holly.

Holly vinha fazendo gravações amadoras desde o início de 1954 e, dois anos depois, até conseguiu chamar levemente a atenção do público, mas nada mais do que isso. Não sem antes passar por um traumático rompimento com a Decca.

Mais discos dos anos 1950:
Discos para história: Gunfighter Ballads and Trail Songs, de Marty Robbins (1959)
Discos para história: Brilliant Corners, de Thelonious Monk (1957)
Discos para história: Orfeu da Conceição, de Tom Jobim e Vinicius de Moraes (1956)
Discos para história: Ritchie Valens, de Ritchie Valens (1959)
Discos para história: Caymmi e Seu Violão, de Dorival Caymmi (1959)
Discos para história: Blue Train, de John Coltrane (1957)


A gravadora queria que esse seguisse no country, já que o principal mercado de música era no Meio-Oeste americano, mas Holly recusou e acabou rescindindo o contrato. A coisa só mudaria mesmo de patamar quando ele formou os Crickets com o baterista Jerry Allison, o baixista Joe B. Mauldin e o guitarrista Niki Sullivan.

O nome tem uma história muito curiosa: nasceu no período em que eles foram para o Novo México para a primeiras gravações juntos. Cismados para ter um nome de inseto, eles debateram ao longo de dias até chegar em uma conclusão – reza a lenda que o nome Beetle (Besouro) chegou a ser cogitado, mas nenhum dos membros então vivos confirmou a história.

Tal qual como qualquer banda iniciante, os Crickets obtiveram pouco retorno financeiro de suas gravações e shows, e isso gerou a saída de Sullivan da banda logo no início do ano – pressionado pelos pais a retomar os estudos, ele não os desobedeceu. Foi justamente no ano da saída do guitarrista, 1957, quando o produtor e engenheiro de gravação Norman Petty entrou na vida do grupo para mudá-los de patamar para sempre. Ele foi o responsável pela gravação da versão mais rock do clássico "That'll Be The Day".

Veja também:
Discos para história: Psicoacústica, do Ira! (1988)
Discos para história: Carnaval na Obra, do Mundo Livre S/A (1998)
Discos para história: O Inimitável, de Roberto Carlos (1968)
Discos para história: Artista Igual Pedreiro, do Macaco Bong (2008)
Discos para história: Sidney Magal, de Sidney Magal (1978)
Discos para história: Convite para Ouvir Maysa Nº2, de Maysa (1958)

Lançado em 27 de novembro de 1957, "The 'Chirping' Crickets" foi o primeiro de três álbuns lançados por Buddy Holly na curta carreira. Logo depois, ele deixaria a banda e partiria para carreira solo – "Buddy Holly" e "That'll Be the Day", ambos de 1958, são os os outros trabalhos.

Buddy Holly surgiu na mesma época de Elvis Presley, Jerry Lee Lewis, Chuck Berry, Little Richard e outros nomes da cultura jovem da época. Cada qual no seu estilo, eles fizeram história nos primórdios do rock e foram inspiração para as bandas que vieram na sequência na década seguinte. Ele morreu jovem, mas é um dos músicos mais influentes do gênero.



Resenha de "The 'Chirping' Crickets"

Escrita por Sonny West, Bill Tilghman e Norman Petty, "Oh, Boy!" Não fez sucesso comercial na primeira vez em que foi lançada, mas chegou lá com o Crickets ao chegar no décimo lugar das paradas nos Estados Unidos e no terceiro no Reino Unido no ano seguinte. Ela reflete bem o tipo de rock que era feito no fim dos anos 1950 – uma letra bobinha com um refrão mais agitado. A faixa seguinte acabou virando um clássico: "Not Fade Away" está na história do rock.

Diferente do cover que os Rolling Stones fariam anos depois, a original tem um andamento mais simples e destaca mais a voz de Buddy Holly em uma letra bem adolescente, já "You've Got Love" é um poema bem bonitinho com andamento bem lento que fala sobre amor verdadeiro – faixa é parceria de Roy Orbison com outros dois compositores. E "Maybe Baby" trata daquele típico desespero adolescente ao não ter o amor correspondido em uma faixa um pouco mais acelerada.



Claro que não poderia faltar uma balada melancólica, papel cumprido por "It's Too Late" no lado A (She's gone - yes, she's gone/ She's gone - my my baby's gone/ She's gone - yes, she's gone/ Where can my baby be). A curta e agitada "Tell Me How" fecha a primeira parte do disco tentando descobrir como ter o amor de outra pessoa.

O lado B do álbum começa com outro clássico: "That'll Be the Day" foi inspiração para os adolescentes da próxima geração que decidiram ter uma banda de rock. Com pouco mais de dois minutos, muitos pesquisadores afirmaram que a faixa é o rock em sua perfeição por ser ritmicamente assobiável e clara em seu recado. E muitos dizem que é premonitória, já que traz exatamente o que aconteceu com Holly um ano após o lançamento.



O agito retorna em "I'm Looking for Someone to Love", enquanto "An Empty Cup (And a Broken Date)" e "Send Me Some Lovin'" também retomam algo já feito aqui – no caso, uma balada tristonha sobre o amor perdido. Mas a faixa mais triste do disco é "Last Night", em que o protagonista reza por sua amada. Por fim, aparece a dançante "Rock Me My Baby" que abre o disco na versão original do LP.

Clássico do rock, The "Chirping" Crickets foi responsável por ser o avô de muitos discos que apareceriam na década seguinte com a mesma inspiração: histórias de amor adolescente. Buddy Holly morreu cedo, mas seu legado está no rock até hoje.



Ficha técnica:

Tracklist:

Lado A

1 - "Oh, Boy!" (Sonny West, Bill Tilghman, Norman Petty) (2:07)
2 - "Not Fade Away" (Buddy Holly, Petty) (2:21)
3 - "You've Got Love" (Roy Orbison, Johnny Wilson, Petty) (2:05)
4 - "Maybe Baby" (Holly, Petty) (2:01)
5 - "It's Too Late" (Chuck Willis) (2:22)
6 - "Tell Me How" (Holly, Petty, Jerry Allison) (1:58)

Lado B

1 - "That'll Be the Day" (May 27, 1957 Brunswick version) (Holly, Allison, Petty) (2:14)
2 - "I'm Looking for Someone to Love" (Holly, Petty) (1:56)
3 - "An Empty Cup (And a Broken Date)" (Orbison, Petty) (2:11)
4 - "Send Me Some Lovin'" (John Marascalco, Leo Price) (2:33)
5 - "Last Night" (Joe B. Mauldin, Petty) (1:53)
6 - "Rock Me My Baby" (Shorty Long, Susan Heather) (1:47)

Gravadora: Brunswick
Produção: Norman Petty
Duração: 28:27

Buddy Holly: vocal, guitarra, violão e vocal de apoio
Jerry Allison: bateria, caixa e vocal de apoio
Joe B. Mauldin: baixo
Niki Sullivan: guitarra e vocal de apoio

Convidados

Larry Welborn: baixo em "That'll Be the Day" e "I'm Looking for Someone to Love"
The Picks (Bill Pickering, John Pickering e Bob Lapham): vocal de apoio, menos nas faixas 2, 7 e 8
Ramona e Gary Tollett: vocal de apoio em "That'll Be the Day" e "I'm Looking for Someone to Love"



Me siga no Twitter e no Facebook e assine o canal no YouTube. Compre livros na Amazon e fortaleça o trabalho do blog!

Saiba como ajudar o blog a continuar existindo

Gostou do post? Compartilhe nas redes sociais e indique o blog aos amigos!