terça-feira, 18 de setembro de 2018

Resenha: Willie Nelson – My Way


Veterano cantor lançou um disco de covers de clássicos interpretados por Frank Sinatra

Tem virado moda nos últimos anos artistas veteranos regravando canções do passado e/ou homenageando alguém que já morreu. Bob Dylan, por exemplo, lançou uma trilogia em homenagem a Frank Sinatra (1915-1998) recentemente. Quem também quis homenagear um dos grandes interpretes do século 20 foi Willie Nelson, que disponibilizou “My Way”, disco apenas de clássicos conhecidos em uma das vozes mais reconhecíveis da música, há poucos dias.

Nelson não inventou muito nos arranjos e na interpretação, então temos um disco bem simples e direto. "Fly Me to the Moon", de 1954, ganhou uma versão com Sinatra uma década depois e acabou ganhando popularidade por conta da primeira ida do homem à lua. A seguinte, "Summer Wind", aposta na simplicidade do formato standard nessa nova versão.

Veja também:
Resenha: Paul Simon – In the Blue Light
Resenha: Anna Calvi – Hunter
Resenha: Alice in Chains – Rainier Fog
Resenha: Miles Kane – Coup de Grace
Resenha: Mahmundi – Para Dias Ruins
Resenha: Bombino – Deran
Resenha: Carne Doce – Tônus


"One for My Baby (And One More for the Road)" coloca um quê mais clássico no arranjo, algo que ajuda a destacar a voz de Willie Nelson na interpretação. Claro que não poderia faltar George e Ira Gershwin, dupla de enorme sucesso nos anos 1920 e 1930, no disco. Eles aparecem com a animada "A Foggy Day", depois aparece a misteriosa "It Was a Very Good Year" – faixa em que o saudosismo é o mote principal.

O clássico "Blue Moon" surge e é como se a paz atingisse o coração dos mais aflitos. Impressionante como a canção, com uma boa interpretação, ganha muito. Nelson não tem a potência vocal de Sinatra, mas tem o suficiente para não deixar a peteca cair. E ainda conta com uma banda de apoio das melhores, o que deixa tudo mais fácil. A sequência vem com a melancólica "I'll Be Around" e a alegrinha "Night and Day", essa composta por Cole Porter.

"What Is This Thing Called Love?" Conta com a única participação do disco. E que participação! Norah Jones coloca a interpretação em outro patamar nesse dueto para lá de inspirador – na torcida para repetição em um disco completo. Ao estrear na segunda posição das paradas, "Young at Heart" ganhou lugar cativo entre os fãs de Sinatra. E foi mais um motivo para Nelson gravá-la. Por fim, o clássico "My Way" ganha um tom ainda mais melancólico para encerrar o disco.

Esse é o disco que não vai mudar o dólar, definitivamente, mas mostra como Willie Nelson pode fazer o que desejar na carreira. Ao cantar clássicos de Frank Sinatra de seu jeito, esse senhor de quase 90 anos mostra uma vontade imensa de seguir fazendo que mais gosta. E quem somos nós para julgá-lo?

Tracklist:

1 - "Fly Me to the Moon" (Bart Howard)
2 - "Summer Wind" (Heinz Meier e Johnny Mercer)
3 - "One for My Baby (And One More for the Road)" (Arlen, Mercer)
4 - "A Foggy Day" (George Gershwin e Ira Gershwin)
5 - "It Was a Very Good Year" (Ervin Drake)
6 - "Blue Moon" (Richard Rodgers e Lorenz Hart)
7 - "I'll Be Around" (Alec Wilder)
8 - "Night and Day" (Cole Porter)
9 - "What Is This Thing Called Love?" (featuring Norah Jones) (Porter)
10 - "Young at Heart" (Johnny Richards e Carolyn Leigh)
11 - "My Way" (Paul Anka, Claude François e Jacques Revaux)

Avaliação: bom




Siga o blog no Twitter Twitter e no Facebook e assine o canal no YouTube. Compre livros na Amazon e fortaleça o trabalho do blog!

Saiba como ajudar o blog a continuar existindo

Gostou do post? Compartilhe nas redes sociais e indique o blog aos amigos!

Continue no blog: