terça-feira, 11 de setembro de 2018

Resenha: Paul Simon – In the Blue Light


Recentemente, o cantor anunciou a aposentadoria dos palcos

Paul Simon é um dos cantores mais respeitados de sua geração desde a parceria com Art Garfunkel até sua bem-sucedida carreira solo. Recentemente, ao completar 76 anos, anunciou a aposentadoria dos palcos, mas prometeu continuar lançando discos até quando der. O primeiro dessa leva traz algo peculiar: “In The Blue Light” não tem nenhuma música inédita, e Simon optou por fazer releituras – nos arranjos e nas letras – de algumas canções lançadas nas últimas quatro décadas.

De nome bem longo, "One Man's Ceiling Is Another Man's Floor" abre o disco com uma pegada jazz e o novo arranjo combinou muito com o tom da letra, enquanto "Love" apresenta algo mais leve para falar sobre as pequenas coisas que formam um romance até o fim – seja lá como ele seja.

Veja também:
Resenha: Anna Calvi – Hunter
Resenha: Alice in Chains – Rainier Fog
Resenha: Miles Kane – Coup de Grace
Resenha: Mahmundi – Para Dias Ruins
Resenha: Bombino – Deran
Resenha: Carne Doce – Tônus
Resenha: Johnny Marr – Call the Comet


Mas é em "Can't Run But", a terceira faixa do álbum, que vem o pensamento de que nunca vamos ver essa versão ao vivo e de como seria incrível vê-la interpretada por Simon e uma orquestra. É uma das melhores faixas, um acerto imenso nas releituras. E "How the Heart Approaches What It Yearns" retorna a abordagem jazz da abertura para contar a história de um casal que passa uma noite junto em um motel de beira de estrada.

E "Pigs, Sheep and Wolves" ganha um arranjo que soa uma banda de fanfarra animada em outra história, essa simplesmente sensacional e que usa de metáforas e situações com animais para contá-la, e "René and Georgette Magritte with Their Dog After the War" é uma das canções mais bonitas que Simon já compôs. Isso é reafirmado nessa nova versão, de tom ainda mais delicado para contar uma bonita história de um dos pintores mais famosos de seu tempo, sua mulher e o cão.

Podemos ouvir em "The Teacher" um estilo mais espanhol no violão, algo mais dedilhado e delicado, e acaba sendo uma boa escolha com o quê de jazz que vai surgindo aos poucos, já "Darling Lorraine" mostra a incrível capacidade do compositor em criar boas narrativas musicais para contar histórias do cotidiano. Se "Some Folks' Lives Roll Easy" apresenta um Paul Simon quase declamando um poema, "Questions for the Angels" encerra o disco questionando os anjos sobre a vida.

Bem que esse novo disco merecia uma mudança de ideia de Paul Simon. Seria maravilhoso vê-lo tocado na íntegra ao vivo, exatamente como foi projetado. As turnês findaram, o que é uma pena, mas isso só mostra como um gigante focado em uma ideia pode até mesmo transformar material reciclado em um disco acima da média.

Tracklist:

1 - "One Man's Ceiling Is Another Man's Floor" (There Goes Rhymin' Simon, 1973)
2 - "Love" (You're the One, 2000)
3 - "Can't Run But" (The Rhythm of the Saints, 1990)
4 - "How the Heart Approaches What It Yearns" (One-Trick Pony, 1980)
5 - "Pigs, Sheep and Wolves" (You're the One, 2000)
6 - "René and Georgette Magritte with Their Dog After the War" (Hearts and Bones, 1983)
7 - "The Teacher" (You're the One, 2000)
8 - "Darling Lorraine" (You're the One, 2000)
9 - "Some Folks' Lives Roll Easy" (Still Crazy After All These Years, 1975)
10 - "Questions for the Angels" (So Beautiful or So What, 2011)

Avaliação: muito bom




Siga o blog no Twitter Twitter e no Facebook e assine o canal no YouTube. Compre livros na Amazon e fortaleça o trabalho do blog!

Saiba como ajudar o blog a continuar existindo

Gostou do post? Compartilhe nas redes sociais e indique o blog aos amigos!

Continue no blog: