Mais no blog:

sexta-feira, 4 de outubro de 2013

Resenha: Vanguart – Muito Mais Que o Amor


O Vanguart é da segunda geração de bandas brasileiras dos anos 2000. Depois de todo movimento que envolveu o hardcore melódico e o emo no início da década, a banda do Mato Grosso apareceu fazendo algo mais inspirado em Bob Dylan do que qualquer outra banda daqueles tempos. O primeiro disco, com o nome da banda, rendeu “Semáforo”, primeiro sucesso.

Entre o futuro promissor e a mudança para São Paulo, o Vanguart sofreu o duro golpe da vida. Problemas pessoais, somados a solidão e descobrimento de um novo mundo na principal cidade do Brasil, deram o tom em Boa Parte de Mim Vai Embora, trabalho pautado pela melancolia e desabafo de Hélio Flanders e Reginaldo Lincoln, principais compositores.

Seis anos depois, entre verões e invernos, eles lançaram Muito Mais Que o Amor neste ano. E “Estive” começa com aquele folk animado com toques de romantismo e uma levada muito interessante logo na primeira música. Mais delicada, “Demorou Pra Ser” tem uma letra poética e leve. As duas primeiras músicas indicam que o Vanguart deseja aproximar-se de um novo público, e isso é bem aparente em “Eu Sei Onde Você Está”, com um tom pop sincero.

Outra canção no mesmo estilo de “Eu Sei...” é “Meu Sol”, essa toda no violão e de fácil acesso, diferente dos dois primeiros álbuns em que a banda não dialogava com todo tipo de pessoa. Mais profunda, tanto na melodia quanto na letra, “A Escalada das Montanhas de Mim Mesmo” tem o tom invernal do álbum anterior.

“Sempre Que Estou Lá” mantém a pegada mais pop sem excessos, enquanto “O Que Seria de Nós” tem um belo solo de gaita – e não sei o motivo dessa música me lembrar do Natal e festas de fim de ano. Talvez seja o arranjo... Já “Pelo Amor do Amor” também repete a fórmula do antigo trabalho e remete a tempos mais tristes, trazendo o sentimento de já ter ouvido isso em algum dos outros álbuns da banda, mostrando que as amarras de um tipo de sonoridade não são fáceis para quebrar.

Balada no piano, “Para Onde Devo Ir” é o clímax para o final do disco. Se “Mesmo de Longe” é uma canção de refrão fácil e é a mais simples, “Olha Para Mim” encerra os quase 35 minutos de audição de forma melancólica.

Gosto de bandas que não escondem seus objetivos. O objetivo é atingir mais pessoas? Que faça um som mais próximo, não tem problema. Problema é querer atingir outro público mudando muito a sonoridade e/ou tornando tudo épico e grandioso. É possível atingir às massas sem precisar se vender. Pode demorar? Claro que pode, mas é muito mais recompensador. E é esse caminho que o Vanguart escolheu ao fazer de Muito Mais Que o Amor o meio termo entre o primeiro disco e Boa Parte de Mim Vai Embora. Mais maduro e pop o suficiente para não afastar os antigos fãs ou causar desconfiança entre os possíveis novos admiradores. Ele têm tudo para ir longe.

Tracklist:

1 – "Estive"
2 – "Demorou Pra Ser"
3 – "Eu Se Onde Você Está"
4 – "Meu Sol"
5 – "A Escalada das Montanhas de Mim Mesmo"
6 – "Sempre Que Estou Lá"
7 – "O Que Seria de Nós?"
8 – "Pelo Amor do Amor"
9 – "Pra Onde Eu Devo Ir?"
10 – "Mesmo de Longe"
11 – "Olha Pra Mim"

Nota: 3,5/5