No YouTube

terça-feira, 14 de novembro de 2017

Resenha: Julien Baker – Turn Out the Light


Cantora lança o segundo disco de sua carreira solo

Olhando para trás, ter 22 anos parece outra vida para quem está perto dos 30 (oi). Pois essa é a idade da ótima guitarrista Julien Baker. Ex-integrante do Forrister, ela tem uma carreira solo há pouco mais de dois anos e já colhe os frutos da empreitada. Sprained Ankle (2015), sua estreia solo, foi bem recebida por público e crítica, e, recentemente, ela lançou Turn Out the Light – o temido segundo disco de estúdio.

Um ponto fundamental para ouvir o disco: funciona melhor tendo o CD ou o vinil. As músicas são todas conectadas entre si, então, no serviço de streaming de sua preferência, isso acaba sendo um pouco prejudicado. A delicada balada instrumental "Over" emenda perfeitamente com a melancólica "Appointments". Já a faixa-título do trabalho usa um bonito arranjo para falar como qualquer pessoa precisa se virar em um momento adverso na vida.

Veja também:
Resenha: Weezer – Pacific Daydream
Resenha: St. Vincent – Masseduction
Resenha: Beck – Colors
Resenha: Courtney Barnett e Kurt Vile – Lotta Sea Lice
Resenha: Tim Bernardes – Recomeçar
Resenha: Liam Gallagher - As You Were
Resenha: Ringo Starr – Give More Love


A cantora usa uma expressão no boxe, 'shadowboxing' (quando o lutador ou lutadora fica dando socos no ar) para falar sobre as batalhas diárias contra ninguém, muitas vezes. Ainda no quesito solidão, "Sour Breath" é sobre como amar um viciado em drogas é muito mais difícil do que amar qualquer outra pessoa. Muitas vezes, o vício é mais importante do que o outro. Em ambas, o arranjo suave faz toda diferença ao destacar a letra, e o mesmo acontece em "Televangelist" em seus quase cinco minutos.

Baker também trata da desesperança em "Everything That Helps You Sleep". Na seguinte, "Happy to Be Here", ela fala de como é importante pedir ajuda quando se está sem esperança com a vida e todo resto – é a melhor faixa do álbum. Se "Hurt Less" usa o piano como base para falar de autopreservação, "Even" segue a linha da maioria do disco no quesito delicadeza. E "Claws in Your Back" é sobre como os pensamentos depressivos – usando a história de um amigo da cantora como exemplo – podem levar qualquer pessoa a cometer uma bobagem.

Uma garota tão jovem conseguir falar de temas tão pesados em um disco é muito admirável. Mais ainda o fato de as escolhas de arranjos e melodias serem de alto nível. No segundo disco de estúdio, Julien Baker mostra – usando um clichê – que talento não tem idade.

Tracklist:

1 - "Over"
2 - "Appointments"
3 - "Turn Out the Lights"
4 - "Shadowboxing"
5 - "Sour Breath"
6 - "Televangelist"
7 - "Everything That Helps You Sleep"
8 - "Happy to Be Here"
9 - "Hurt Less"
10 - "Even"
11 - "Claws in Your Back"

Nota: 4/5



Saiba como ajudar o blog a continuar existindo

Gostou do post? Compartilhe nas redes sociais e indique o blog aos amigos!