No YouTube

quinta-feira, 5 de outubro de 2017

Resenha: Liam Gallagher - As You Were


Álbum de estreia da carreira solo do Gallagher mais novo surpreende por diversos motivos

Por Javier Freitas*

Tão logo o Oasis acabou em 2009, Liam Gallagher tratou de montar uma banda com os membros remanescentes da banda, o Beady Eye. Com dois discos lançados, recebeu críticas mistas na maior parte do tempo, mas fez um bom trabalho dentro daquilo que se propôs – especialmente no primeiro álbum, Different Gear, Still Speeding, de 2011. Como todos bem sabem, eventualmente a banda acabou e cada um foi para um canto. O frontman, Liam, se dedicou à sua marca de roupa e, talvez de forma até mais notória, ao Twitter.

No Oasis, Liam bradava aos quatro cantos que jamais se lançaria numa carreira solo por adorar estar em uma banda. O tempo passou e, aparentemente, ele mudou de opinião e gravou seu primeiro disco, intitulado As You Were, que se tornou uma espécie de assinatura em quase todos os seus tweets.

Contudo, nos tempos em que vivemos, se alguém diz que pretende lançar um álbum em uma determinada data, pode saber que o material eventualmente vai acabar caindo na rede antes disso. Uma semana ou um mês. Mas cai. Na noite do dia 3 de outubro, começaram a pipocar os primeiros rumores de vazamento e, dali em diante, não demorou nada para que os links de download do disco começassem a aparecer. As You Were viu a luz do dia antes dos planos de Liam.

Veja também:
Resenha: Ringo Starr – Give More Love
Resenha: METZ – Strange Peace
Resenha: Guilherme Arantes – Flores & Cores
Resenha: Mogwai – Every Country’s Sun
Resenha: The War On Drugs – A Deeper Understanding
Resenha: Far From Alaska – Unlikely
Resenha: Mallu Magalhães – Vem


Veja outra opinião sobre o disco no canal do blog no YouTube:



Se financeiramente pode ser um prejuízo para Liam e a gravadora, de resto nenhuma das partes tem do que reclamar. Liam prometeu um bom disco de rock e entregou, contrariando frontalmente quem imaginava que ele iria sofrer sem o irmão ao lado para escrever boas canções. Claro que Liam passa longe de ser um compositor brilhante como o irmão, Noel. Até mesmo por conta disso, não teve problema nenhum em admitir que contou com a ajuda de alguns produtores para escrever a maior parte canções que estão em As You Were. E não há nada de errado nisso.

Feito o contexto, vamos ao álbum.

Há tempos Liam vinha fazendo uma massiva propaganda de seu novo material. Das duas uma, seria algo muito ambicioso, ou ele estava simplesmente supervalorizando seu trabalho. Nas cinco primeiras faixas, Liam prova ser o primeiro caso ao “queimar” cinco das melhores canções do disco logo na largada pra mostrar que não está pra brincadeira e chegar com o pé na porta. Já conhecida do público, "Wall of Glass" abre os trabalhos sem nenhuma surpresa pra quem ouve. É o primeiro momento genuinamente rock n’ roll do disco, exatamente como se esperava e como Liam prometia.

Há de se dizer ainda que a faixa funciona melhor no estúdio do que ao vivo. Mas é bem verdade também que isso passa longe de ser culpa de Liam. Sua voz está boa em ambas as situações, o problema neste caso é a banda que o acompanha. Falta peso para as execuções de "Wall of Glass" em shows. Ainda. Em seguida, com "Bold", Liam baixa o tom inicial do álbum e se pretende ser mais profundo. Com a faixa crescendo ao passar dos minutos, ainda que haja uma ponte no meio, Liam consegue atingir seu objetivo.

Uma das surpresas em As You Were é o fato de Liam ter apostado menos em guitarras mais sujas ou densas em determinados momentos como era de se supor, tentando reaver uma pegada dos tempos de Be Here Now, e apostado mais em violões e guitarras mais limpas como bases de sustentação. Um dos melhores exemplos disso se vê em "Greedy Soul", onde há um bom balanço entre os dois instrumentos e há um bom desenvolvimento da faixa, além de um bom riff de baixo já do meio pro fim.

Falando em bom balanceamento, Liam parece ter pensado com bastante carinho na organização do álbum, ao alternar propositalmente faixas rápidas e lentas logo no começo para não cansar e nem entediar quem ouve. Tanto que após "Greedy Soul", "Paper Crown" aparece mais calma e forte candidata a hit. A alternância de ritmos acaba quando outra das já conhecidas do público toma o lugar. For "What It’s Worth" é tão lenta quanto a faixa que a antecede, embora traga consigo um pouco mais de peso – o que, mais uma vez, faça com que ela funcione melhor no estúdio do que ao vivo.

A insistência nesse assunto mostra que Liam e sua banda têm um problema que precisa ser resolvido nos shows. E falando em problemas, era até difícil imaginar que Liam faria um disco de estreia sem buracos e sem momentos dispensáveis. Bandas consagradas fazem isso o tempo todo e, até mesmo com o próprio Oasis não era diferente. Está aí Heathen Chemistry, de 2002, que não me deixa mentir.

As You Were tem pelo menos três momentos dispensáveis com "When I’m In Need", "Chinatown" e "Universal Gleam". As duas primeiras são faixas que não vão de nada a lugar nenhum e, caso tivessem sido deixadas de fora, só teriam feito engrandecer o primeiro trabalho solo de Liam Gallagher. A última, no entanto, frustra e engana, porque em dados momentos dá a entender que vai crescer e levar a algum lugar – mas não o faz.

Mas não é porque os violões e os sintetizadores em forma de palminhas se fazem presente na maior parte do disco que as guitarras foram completamente esquecidas. Há momentos em que Liam parece fazer uma busca em materiais não tão antigos assim do Oasis, mas que funcionaram muito bem com os fãs e até mesmo com a crítica especializada. Os momentos onde isso se dá são em You "Better Run" e, especialmente, em "I Get By", onde a trinca guitarra + baixo + bateria é muitíssimo bem explorada.

Liam não bebe só na fonte do Oasis. Coisas mais antigas e também mais novas parecem passar pelo setor de inspiração. Em "Come Back to Me", à exceção do refrão, o que se vê é uma mistura bastante interessante entre Stone Roses e Kasabian, separadas em instrumental e melodia, respectivamente. Os trabalhos de As You Were são fechados com a bonita "I’ve All I Need", certamente um dos momentos de maior inspiração do disco. A faixa, que começa com ares de fim de álbum, cresce no refrão com a mesma ideia que se vê em "Bold": se pretende ser mais profunda e consegue.

Sendo um disco solo de alguém que é simplesmente um cantor e não um instrumentista, é claro que há de se falar de dois aspectos: voz e composição.

No primeiro quesito, Liam mostra que está em ótima forma vocal, como há muito não se via. É evidente que há toda a questão da produção, mas Liam não tem decepcionado nas apresentações ao vivo, o que significa que não há truques para fazer Liam parecer melhor do que ele realmente é. O que se ouve em As You Were é exatamente o que Liam é capaz de fazer.

Quanto às composições, é impossível deixar de notar que, pro bem ou pro mal, em vários momentos as letras têm direção, nome, sobrenome e endereço. E não há problema algum em escrever sobre Noel, afinal, o que se espera de um artista é justamente que ele faça canções sobre aquilo que o aflige, que o incomode ou que o faça feliz. Dados os termos em que o Oasis acabou e a falta de qualquer tipo de relação entre os dois que se segue, era até natural que acontecesse.

Em tempo: na versão do álbum que caiu na internet, há ainda três faixas bônus, sendo que duas delas poderiam facilmente ter entrado na versão ‘comum’ do disco.

"Doesn’t Have to Be That Way" se apresenta como um rock mais moderno, algo que dificilmente veríamos num disco do Oasis, mas que, aparentemente, funcionou muito bem na voz de Liam. Por outro lado, "All My People/All Mankind" remete aos tempos do Oasis e poderia facilmente ter entrado no lugar de uma das dispensáveis do disco.

E falando em momentos dispensáveis, "I Never Wanna Be Like You" é certamente o momento mais pobre do disco, criativamente falando. A letra não poderia ser mais claramente direcionada a Noel e alguns trechos parecem ser tirados de tweets de Liam. Musicalmente, entra naquele grupo daquelas que vai de nada a lugar algum.

Em todo caso, apesar de uma inconsistência aqui e outra ali, As You Were surpreende de forma positiva e, no geral, é um bom disco – especialmente se levarmos em conta que se trata de um trabalho de estreia. Com mais momentos a serem celebrados do que esquecidos, Liam mostra em seu debut que existe vida longe do Oasis.

Tracklist:

1 - "Wall of Glass"
2 - "Bold"
3 - "Greedy Soul"
4 - "Paper Crown"
5 - "For What It's Worth"
6 - "When I'm in Need"
7 - "You Better Run"
8 - "I Get By"
9 - "Chinatown"
10 - "Come Back to Me"
11 - "Universal Gleam"
12 - "I've All I Need"

Nota: 4/5



*Javier Freitas é companheiro de blog no ESPN FC e escreve sobre o Manchester City

Saiba como ajudar o blog a continuar existindo

Gostou do post? Compartilhe nas redes sociais e indique o blog aos amigos!