No YouTube

terça-feira, 20 de setembro de 2016

Resenha: Willie Nelson – For the Good Times: A Tribute to Ray Price


É o segundo álbum do cantor neste ano 

Difícil começar qualquer texto sobre Willie Nelson sem citar as palavras "genial", "incrível" e "eu quero ser como ele no futuro". Porque esse senhor de 82 não é mais simplesmente um cantor country; ele virou uma entidade com milhares de seguidores fiéis - desde os discos até o festival que organiza, o Farm Aid. Em seus trabalhos mais recentes (Summertime: Willie Nelson Sings Gershwin, Django And Jimmie e Band of Brothers), ele optou por homenagear amigos e contemporâneos. Em For the Good Times: A Tribute to Ray Price, canta alguns dos sucessos mais conhecidos na voz de Ray Price (1926 – 2013).

"Heartaches by the Number" é uma das canções mais conhecidas de Price. E ganhou uma versão leve, com arranjo suave e um vocal bem tranquilo. Um bom início, complementado por "I'll Be There (If You Ever Want Me)", um clássico enorme do country dos Estados Unidos. Aqui, o vocal de apoio trabalha mais para ajudar Nelson no desenvolvimento da ótima letra. O ritmo diminui na romântica "Faded Love", uma punhalada no peito para falar sobre o amor perdido.

Veja também: 
Resenha: Local Natives – Sunlit Youth
Resenha: Wilco – Schmilco
Resenha: Teenage Fanclub – Here
Resenha: Nick Cave and The Bad Seeds – Skeleton Tree
Resenha: Lakuta – Brothers and Sisters
Resenha: Sophie Ellis-Bextor – Familia
Resenha: Angel Olsen – My Woman

Primeira de duas inéditas do cantor no disco, "It Always Will Be" segue a linha das canções de Ray Price ao optar por um arranjo mais clássico para embalar a letra digna de um cantor de country clássico dos anos 1940 ou 1950. Nelson coloca o pessoal para dançar nas bonitas "City Lights" e "Don’t You Ever Get Tired of Hurting Me" –  uma mais animada, outra mais lenta. "Make the World Go Away" não é muito do tom de voz para alguém como Willie Nelson, mas ele apresenta uma versão muito digna aqui.

"I'm Still Not Over You" tem um ritmo delicado, "Night Life" tem um quê de jazz muito interessantes e "Crazy Arms" mostra como uma terceira canção completamente diferente das duas anteriores pode fazer parte dessa equação sem comprometer o disco. E tudo isso acontece com enorme talento e competência. "Invitation to the Blues" (de tocada suave) e "For the Good Times" (arranjo e letras beirando o clássico) fecham o disco.

Mais uma vez, Willie Nelson não desaponta seus fãs. Quem esperava um ótimo trabalho se deparou com um disco em que é possível acreditar em cada palavra dita pelo cantor. E mais: é uma bela homenagem ao amigo que morreu.

Tracklist: 

1 - "Heartaches by the Number" (featuring The Time Jumpers) (Harlan Howard)
2 - "I'll Be There (If You Ever Want Me)" (featuring the Time Jumpers) (Rusty Gabbard, Ray Price)
3 - "Faded Love" (Bob Wills, Johnny Lee Wills)
4 - "It Always Will Be" (Willie Nelson)
5 - "City Lights" (featuring the Time Jumpers) (Bill Anderson)
6 - "Don’t You Ever Get Tired of Hurting Me" (featuring the Time Jumpers) (Hank Cochran)
7 - "Make the World Go Away" (Hank Cochran)
8 - "I'm Still Not Over You" (Willie Nelson)
9 - "Night Life" (Walt Breeland, Paul Buslirk, Willie Nelson)
10 - "Crazy Arms" (featuring the Time Jumpers) (Ralph Mooney, Charles Seals)
11 - "Invitation to the Blues" (featuring the Time Jumpers) (Roger Miller)
12 - "For the Good Times" (Kris Kristofferson)

Nota: 4/5



Gostou do post? Compartilhe nas redes sociais e indique o blog aos amigos!




Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...