No YouTube

quinta-feira, 12 de novembro de 2015

Resenha: Titus Andronicus – The Most Lamentable Tragedy


O Titus Andronicus é uma banda esquisita. Com várias formações no currículo, eles são liderados pelo quase maluco Patrick Stickles, vocalista, compositor e guitarrista. Sem fazer sucesso, no sentido de ficar realmente famoso, o grupo resolveu sair um pouco da zona de conforto e partir para algo mais audacioso: uma ópera-punk-experimental-indie (o nome pode parecer mais difícil do que realmente é) de mais de 90 minutos em The Most Lamentable Tragedy, o quarto disco de estúdio deles.

  • Gravadora: Merge
  • Lançamento: 28 de julho
  • Produção: Kevin McMahon & Adam Reich
  • Duração: 92min36s
A instrumental “The Angry Hour” abre o disco de maneira melancólica e suave, muito em conta do ótimo arranjo de cordas feito por Owen Pallett. Um barulho, como se todos os instrumentos tivesse tocando ao mesmo tempo, dá o tom dessa faixa instrumental estranha aos ouvidos mais sensíveis. A continuação é "No Future Part IV: No Future Triumphant", um punk absurdamente bom e feito no último volume de todos os instrumentos – a letra, sobre odiar ser acordado, é facilmente identificável em qualquer situação do nosso cotidiano.

Conhecida pelos fãs por estar em um compacto lançado em 2007, "Stranded (On My Own)" ganhou uma versão mais visceral e, até por isso, a letra ganhou uma nova interpretação, agora mais raivosa. Na quarta música, é possível perceber o quê de ópera rock do disco ao emendar a anterior e "Lonely Boy", essa de início bem lento, mas ganha um pouco de The Who nessa quase balada punk sobre um menino irritado, acordado contra sua vontade e que está andando por aí – a parte final, dançante, consegue aliar vários instrumentos diferentes em uma salada sonora deliciosa. Emendar uma sequência de seis músicas ótimas não é para qualquer um, mas eles conseguiram isso quando começa "I Lost My Mind (+@ )" e "Look Alive", essa um punk de pouco mais de 30 segundos mais veloz do que muita coisa que ouvimos por aí.

Outra instrumental, "The Magic Morning" abre o segundo ato do disco, que tem início de verdade em “Lookalike”, de pouco mais de um minuto e de potencial suficiente para derrubar um quarteirão inteiro, e "I Lost My Mind (DJ)", de Daniel Johnston, uma das canções mais depressivas escritas ganhou uma versão rápida, com vocais de apoio forte e um refrão refeito para grudar na cabeça e no coração. Sem tempo para pausas, "Mr. E. Mann" aparece para confortar o personagem principal ao falar ‘olhando o lado positivo, está tudo bem’.

Sobre sonhos, "Fired Up" traz uma pequena mostra de como acreditar, enquanto "Dimed Out" traz a confirmação de que a história não é sobre um cara, mas uma cópia ou algo parecido com o personagem citado no primeiro ato. Perdido e cheio de dúvidas, ele segue na busca por respostas nessa outra faixa punk e cheia de energia adolescente. Colocando o punk de lado por quase dez minutos, a triste "More Perfect Union" é sobre abandono e um momento de reflexão do protagonista, e é quase uma ópera rock dentro de uma ópera rock maior (são subatos dentro de um ato maior que faz parte do disco). E a silenciosa "[ intermission ]" fecha o segundo ato.

"Sun Salutation" abre o terceiro ato de forma quase religiosa ao saudar Ra, o Deus do sol no antigo Egito, e "(S)HE SAID / (S)HE SAID" trata de uma relação entre um homem e uma mulher e seus detalhes e consequências em quase dez minutos, variando entre momentos de realismo e de puro delírio da mente do personagem principal. Se "Funny Feeling" mostra que o personagem tem algo dentro de si ainda não identificável, mas culpado por toda sua loucura e delírios pessoais, "Fatal Flaw" expõe ao mostrar seu mais terrível defeito em uma canção confessional e cheia de referências, mas o erro mesmo é mostrado em "Please", momento em que ele confessa que Siobhan, seu grande amor, é realmente seu ponto fraco.

"Come On, Siobhán" coloca a menina/mulher no centro das atenções ao ser pedida para acompanhá-lo pelo mundo, apesar de ela relutar ao relembrar as decepções amorosas que sofreu ao longo dos anos, enquanto "A Pair of Brown Eyes" é aquele canção romântica que os Ramones ficariam orgulhosos de terem tocado em algum momento de sua carreira. "Auld Lang Syne" (uma ópera no mais puro sentido musical) e "I’m Going Insane (Finish Him)" (um punk de um vero só) fecham o penúltimo ato.

Usando o mesmo artifício dos outros atos, "The Fall" é instrumental e abre os trabalhos da última parte, essa é bem mais focada nos sintetizadores e efeitos do que em outra coisas, porque "Into the Void (Filler)" coloca o personagem principal no modo de vingança depois de ver vários acontecimentos, e "No Future Part V: In Endless Dreaming" coloca a desesperança e sofrimento à frente, o que não deixa de ser tocante depois de tudo que ocorreu. Depois de sete segundos de silêncio, "Stable Boy" surge e nos lembra de que ‘nascemos para morrer’ na, talvez, melhor canção do disco por ser crua, dura, realista, sincera e bonita. Por fim, a instrumental "A Moral" amarra tudo e fecha esse brilhante disco.

Sim, brilhante mesmo. Focado em contar uma história sem perder a essência da banda, o Titus Andronicus conseguiu fazer um dos melhores discos do ano que não tocará em nenhum lugar. Apesar de um tanto excêntrico e estranho em algumas partes, faz muito sentido ao final da audição. Verdadeiro e atemporal, ele merece sua atenção do início ao fim ao propor uma reflexão sobre nós mesmos. É um dos grandes álbuns do ano. E digo isso sem medo de errar.

Tracklist:

Act I: Set Aside or Miserable and Water-Buried

1 - "The Angry Hour"
2 - "No Future Part IV: No Future Triumphant"
3 - "Stranded (On My Own)"
4 - "Lonely Boy"
5 - "I Lost My Mind (+@ )"
6 - "Look Alive"

Act II: Beside Himself

7 - "The Magic Morning"
8 - "Lookalike"
9 - "I Lost My Mind (DJ)"
10 - "Mr. E. Mann"
11 - "Fired Up"
12 - "Dimed Out"
13 - "More Perfect Union"
14 - "[ intermission ]"

Act III: Down by the Seaside

15 - "Sun Salutation"
16 - "(S)HE SAID / (S)HE SAID"
17 - "Funny Feeling"
18 - "Fatal Flaw"
19 - "Please"

Act IV: The Other Side or A Midsummer Night's Dream

20 - "Come On, Siobhán"
21 - "A Pair of Brown Eyes"
22 - "Auld Lang Syne"
23 - "I’m Going Insane (Finish Him)"

Act V: Decide

24 - "The Fall"
25 - "Into the Void (Filler)"
26 - "No Future Part V: In Endless Dreaming"
27 - "[ seven seconds ]"
28 - "Stable Boy"
29 - "A Moral"

Nota: 5/5



Veja também:
Resenha: Sara Não Tem Nome – Ômega III
Resenha: EL VY – Return to the Moon
Resenha: Boogarins – Manual
Resenha: Puscifer – Money Shot
Resenha: Duran Duran – Paper Gods
Resenha: Girl Band – Holding Hands With Jamie
Resenha: Elza Soares – A Mulher do Fim do Mundo

Gostou do conteúdo? Compartilhe nas redes sociais! Isso ajuda pra caramba o blog a crescer e ter a chance de produzir mais coisas bacanas.