No YouTube

sexta-feira, 28 de agosto de 2015

Discos para história: Turn on the Bright Lights, do Interpol (2002)


A 96ª edição do Discos para história falará sobre Turn on the Bright Lights, estreia do então quarteto Interpol pela Matador. O álbum foi uma das surpresas de 2002, figurando nas listas dos melhores do ano e é considerado uma das ótimas estreias da década passada.

História do disco

O Interpol é mais um desses casos de bandas formadas na universidade. O baterista Greg Drudy e o guitarrista Daniel Kessler se conheceram na New York University em um encontro casual, pois Kessler estava louco para montar uma banda e esbarrava na dificuldade em encontrar músicos competentes para iniciar o projeto. Logo depois, ele encontrou com Paul Banks, amigo que conheceu em férias na França, e perguntou se ele gostaria de participar.

Depois de iniciado, a banda começou a tocar em alguns lugares e fez relativo sucesso. Mas eles ainda não tinham um nome, então era sempre complicado achá-los depois das apresentações. Eles pensaram em nomes ruins como Las Armas e The French Letters, até que chegaram a um acordo pelo nome Interpol (não confundir com a organização que ajuda no combate ao crime em diversos países).

Antes mesmo de conseguir qualquer coisa, Drudy deixou o grupo para se dedicar à gravadora Level Plane. Foi aí que o baterista Samuel ‘Sam’ Fogarino entrou na parada e ajudou a mudar um pouco a história dessa banda de Nova York.

Uma coisa interessante que aconteceu na cidade foi a cena musical, que ganhou nomes como The Strokes, Yeah Yeah Yeahs, The National e outras bandas que tinham como inspiração a Nova York do fim dos anos 1960, com Stooges e Velvet Underground, e bandas inglesas do calibre de Echo and the Bunnymen, The Smiths, Joy Division e muito do pós-punk inglês do fim dos anos 1970 e meados dos anos 1980. Então, a sonoridade era o que diferenciava todos eles. No caso do Interpol, era algo mais pesado e sombrio, e a voz de Paul Banks era o diferencial para cantar as letras melancólicas recheadas de teclados, guitarras, baixo alto e efeitos.

Depois de alguns discos amadores, eles assinaram com a gravadora Matador para um trabalho curto melhor produzido, e foi aí que saiu um EP em junho. Dois meses depois, seria colocado no mercado o primeiro álbum cheio, chamado Turn on the Bright Lights. O repertório era feito das músicas tocadas ao vivo, então não deu muito trabalho na hora de gravar. Lançado em 20 de agosto de 2002, chegou ao 101º na parada inglesa e no 158º na americana, mas foi um desses que boa parte dos críticos gostou muito e entrou em muitas listas de Melhores do Ano e da Década.


Resenha de Turn on the Bright Lights

O clima soturno de "Untitled" já vale o disco. Principalmente por ter sido feita em um período em que boys e girls band dominavam as paradas de sucesso. A voz de Paul Banks, o baixo insistente nos ouvidos, a bateria segura... A canção em si é muito boa e se ajuda ao manter o clima do início ao fim, sem reviravoltas ou qualquer tipo de artifício tacanho para virar algo mais palatável.

Em "Obstacle 1" temos a guitarra alta dominando e um vocal muito inspirado para cantar sobre uma garota má, no pior sentido possível da palavra, rancorosa e que só pensa em dinheiro. Cantar esse tipo de música sem soar piegas é um trabalho e tanto, mas o Interpol conseguiu isso muito bem, e "NYC" temos uma espécie de ode à Nova York, quando o personagem principal destaca os piores momentos da cidade. Para quem mora fora pode parecer estranho, mas, para quem mora em uma grande cidade, é possível amar o caos.



"PDA" trata de um amor mal resolvido e de como o personagem principal perdeu a mulher que amava. Aqui, pode não parecer, mas temos o auge do álbum. É tão difícil emplacar quatro canções seguidas muito boas, e o Interpol fez isso muito bem neste álbum. E o peso do baixo faz dessa canção em especial algo muito bonito e melancólico ao mesmo tempo. A guitarra potente coloca o público para dançar e cantar junto na ótima "Say Hello to the Angels", a mais pop de todas as 11 canções.

A obscuridade volta com tudo em "Hands Away", que conta com um teclado mantendo a base da melodia e ajudando guitarra e bateria no trabalho de seguir a melodia em uma faixa meio cantada, meio instrumental. E "Obstacle 2" traz um relato sobre um dia de um cara que, enfim, encontra o amor de sua vida – a canção é pesada na melodia e carregada na percussão. Particularmente, gosto muito de "Stella Was a Diver and She Was Always Down" por ser dessas letras adultas que dialogam com adultos ao usar o fato de Stella ser uma mergulhadora e brincar com alguns termos na letra.



Caprichada, "Roland" serve para mostrar o lado mais rápido e pesado do Interpol, sendo a única assim em todo álbum – essa parece ter sido inspirada em algum momento do punk, não do pós-punk. Pode não parecer, mas "The New" tem uma dos versos mais tocantes e emocionantes da música (But I can't pretend/ I need to defend some part of me from you/ I know I've spent some time lying/ I can't pretend I don't need to defend some part of me from you/ I know I've spent some time lying), e isso ajuda muito a carregá-la de sentimentalismo. E o solo de guitarra no início da segunda metade também ajuda.

Para encerrar, "Leif Erikson" celebra o amor e serve para colocar o Interpol entre uma das boas bandas que surgiram no início da década passada. E o legal é que eles seguem por aí, fazendo esse tipo de música melancólica e incrivelmente boa.



Ficha técnica:

Tracklist:

1 - "Untitled"
2 - "Obstacle 1"
3 - "NYC"
4 - "PDA"
5 - "Say Hello to the Angels"
6 - "Hands Away"
7 - "Obstacle 2"
8 - "Stella Was a Diver and She Was Always Down"
9 - "Roland"
10 - "The New"
11 - "Leif Erikson"

Todas as canções são creditadas ao Interpol.

Gravadora: Matador
Produção: Peter Katis e Gareth Jones
Duração: 49min02s

Paul Banks: vocais e guitarra
Daniel Kessler: guitarra e vocais de apoio
Carlos D: baixo e teclado
Samuel Fogarino: bateria e percussão


Veja também:
Discos para história: Dirty, do Sonic Youth (1992)
Discos para história: Imagine, de John Lennon (1971)
Discos para história: Õ Blésq Blom, dos Titãs (1989)
Discos para história: Parklife, do Blur (1994)
Discos para história: The Marshall Mathers LP, de Eminem (2000)
Discos para história: A Night at the Opera, do Queen (1975)
Discos para história: Wish You Were Here, do Pink Floyd (1975)

Estamos perto da 100ª edição, então que tal vocês sugerirem nos comentários quais discos merecem fazer parte da seção que ainda não foram falados?