Resenha: Neil Young with Crazy Horse - Barn


Os últimos anos da carreira de Neil Young são marcados pelo resgate de gravações ao vivo nunca disponibilizadas antes, de discos não lançados por diversos motivos e versões de músicas que ganharam outra cara alguns anos depois. E, além de todo esse trabalho, ele ainda encontra tempo para seguir lançando álbuns inéditos.

O mais recente, disponibilizado nos últimos dias de 2021, é "Barn", 41º disco da carreira e o segundo consecutivo com a Crazy Horse, banda de apoio que ajudou Young nas gravações de algumas das melhores músicas da carreira em estúdio e ao vivo. E, bem, juntos eles são quase imbatíveis.

Veja também:
Resenha: Gov’t Mule - Heavy Load Blues
Resenha: Nell Smith e Flaming Lips - Where the Viaduct Looms
Resenha: Willie Nelson - The Willie Nelson Family
Resenha: Jerry Cantrell - Brighten
Resenha: Mastodon - Hushed and Grim
Resenha: Fito Paez - Los años salvajes

Estou no Twitter e no Instagram. Ouça o podcast, compre livros na Amazon e fortaleça o trabalho do blog!

"Barn" abre com a emocionante "Song of the Seasons", em que gaita, acordeão e violão dão o tom dessa balada romântica à Neil Young pronta para emocionar qualquer coração de pedra. O grupo com uma amizade de mais de 50 anos liga as guitarras em "Heading West", uma das muitas canções autobiográficas nesse disco. Aliás, parece algo bastante comum em músicos mais velhos: relembrar o passado é algo cada vez mais frequente.

É claro que não poderia faltar críticas a nova corrida espacial ("Change Ain't Never Gonna"), quando Young parece perder a esperança, recuperada em "Canerican" e pronta para declarar o amor nas baladas "Shape of You" e "Tumblin' Thru the Years". E depois da poética "They Might Be Lost" vem a canção de protesto "Human Race" da potente estrofe "Who's gonna save / The human race? / Where are the children gonna run and hide? / The children of the fires and floods / From the fires and floods / Today's people have left behind / Today's people".

Com mais de oito minutos de duração, "Welcome Back" é reflexiva e bem lenta, dessas que precisa ser apreciada, e "Don't Forget Love" encerra com um recado bastante simples de quem já passou por muita coisa ao longo de quase 80 anos de vida.

O novo disco de Neil Young com a Crazy Horse mostra como eles são bons juntos em canções diferentes entre si. De momentos mais reflexivos aos mais agitados, a idade ensina que preservar determinados vínculos é a melhor coisa que qualquer um pode fazer por si mesmo. Nesse caso, mais um disco recheado de boas canções.

Tracklist:

1 - "Song of the Seasons"
2 - "Heading West"
3 - "Change Ain't Never Gonna"
4 - "Canerican"
5 - "Shape of You"
6 - "They Might Be Lost"
7 - "Human Race"
8 - "Tumblin' Thru the Years"
9 - "Welcome Back"
10 - "Don't Forget Love"

Avaliação: muito bom

Continue no blog: