Resenha: Fito Paez - Los años salvajes


Fito Paez é uma das lendas da história do rock latino. Integrante da banda de Charly Garcia nos anos 1980, partiu para carreira solo de sucesso em 1984 e, desde então, virou uma das melhores referências musicais da América Latina — de bandas no México até os Paralamas do Sucesso no Brasil, para ficar em exemplos bem simples.

Pouco menos de um ano após o disco "La conquista del espacio", ele retorna com um novo disco solo. Assim como muitos trabalhos disponibilizados nos últimos meses, "Los años salvajes", 25º álbum da carreira, foi todo escrito durante a pandemia do novo coronavírus. Isso, claro, ajuda a tratar com mais sensibilidade determinados temas sem perder a força do rock, gênero que fez sempre questão de usar e abusar ao longo dos anos.

Veja também:
Resenha: Juçara Marçal - Delta Estácio Blues
Resenha: Adele - 30
Resenha: Courtney Barnett - Things Take Time, Take Time
Resenha: Silk Sonic - An Evening with Silk Sonic
Resenha: Damon Albarn - The Nearer the Fountain, More Pure the Stream Flows
Resenha: Snail Mail - Valentine

Estou no Twitter e no Instagram. Ouça o podcast, compre livros na Amazon e fortaleça o trabalho do blog!

"Vamos a lograrlo" traz uma guitarra muito poderosa e bastante presente ao longo de quase quatro minutos, depois surge "Lo mejor de nuestras vidas" e o refrão espetacularmente grudento ("La vida no vale nada sin luchar/ La vida no vale nada sin luchar/ La vida no vale nada sin luchar/ Sin luchar, luchar, luchar, luchar").

Paez não fica apenas em mensagens positivas ao abordar o assassinato de crianças em "Shut up", aquele mistura de rock original com o gênero na Argentina e uma homenagem a Charly García no ano em que o músico celebrou 70 anos. A partir de "La música de los sueños de tu juventud", o trabalho também ganha canções mais lentas, assim como canções ao melhor estilo do músico também surgem ("Caballo de Troya" e "Sin mí en vos").

"Lili and Drake" é uma história romântica dos tempos modernas recheada pelo sintetizador e o acréscimo de vários elementos que deixam a canção animada, mas é na balada romântica "Encuentros cercanos" para homenagear a ex-esposa Fabiana Cantilo, uma das cantoras mais famosas da Argentina, é que Fito Paez faz uma das melhores canções da discografia. É simplesmente incrível a capacidade de criação dele aqui.

Paez participou do trabalho mais recente de Elvis Costello, então o músico americano devolveu o favor na melancólica "Beer blues", a união do melhor trabalho de ambos, e Cantilo participa do disco do ex-marido na faixa-título, encerramento do álbum em que eles cantam sobre eles mesmos.

O novo álbum de Fito Paez é uma junção dos últimos meses da humanidade com temas comuns na discografia dele. Com uma pitada a mais de guitarras e outros elementos, "Los años salvajes" é outro trabalho acima da média na conta desse músico espetacular que, aos 58 anos, ainda é cheio de energia para criar.

Tracklist:

1 - "Vamos a lograrlo"
2 - "Lo mejor de nuestras vidas"
3 - "Shut up"
4 - "La música de los sueños de tu juventud"
5 - "Caballo de Troya"
6 - "Sin mí en vos"
7 - "Lili and Drake"
8 - "Encuentros cercanos"
9 - "Beer blues" (feat. Elvis Costello)
10 - "Los años salvajes" (feat. Fabiana Cantilo)

Avaliação: ótimo

Continue no blog: