Resenha: Nell Smith e Flaming Lips - Where the Viaduct Looms


Nell Smith nasceu na Inglaterra e mudou-se muito nova com a família para o Canadá, onde sempre estava na primeira fila dos shows do Flaming Lips. Vocalista do grupo, Wayne Coyne notou a presença dela e rapidamente ficaram amigos, com ele frequentando a casa da família, inclusive. Nisso tudo, Smith começou a aprender a tocar violão e a escrever as próprias músicas.

Um dia, após o cancelamento de um show, Coyne sugeriu que ela gravasse algumas músicas de Nick Cave para o Lips ser a banda de apoio. E por que o cantor australiano foi escolhido? Como Smith não conhecia a obra dele, não haveria nenhum julgamento sobre como a música deveria ficar. A primeira gravação foi "Girl in Amber", do álbum "Skeleton Tree", lançado em 2016, também o primeiro single de "Where the Viaduct Looms", disco de estreia da jovem cantora.

Veja também:
Resenha: Willie Nelson - The Willie Nelson Family
Resenha: Jerry Cantrell - Brighten
Resenha: Mastodon - Hushed and Grim
Resenha: Fito Paez - Los años salvajes
Resenha: Juçara Marçal - Delta Estácio Blues
Resenha: Adele - 30

Estou no Twitter e no Instagram. Ouça o podcast, compre livros na Amazon e fortaleça o trabalho do blog!

Um disco feito sem que qualquer pessoa tenha referência do artista original é algo bem complicado. Por um lado, há uma liberdade criativa não imaginada; por outro, as comparações são inevitáveis. Mas, especificamente nesse caso, Nell Smith passa no teste logo da abertura do trabalho. E ela conta com uma bela ajuda do Flaming Lips, uma banda de apoio bem competente e ótima em preencher os espaços do vocal delicado.

"Weeping Song" ganha uma versão cheia de eco e das mais interessantes, mas o primeiro grande momento do álbum vem na interpretação lindíssima de "Into My Arms", de "The Boatman's Call" e um dos sucessos históricos da discografia de Cave. A versão ganha uma delicadeza, preserva a melancolia e coloca a interpretação soturna de lado. É uma das gratas surpresas e uma das melhores músicas de 2021.

À medida que o disco avança, mais elementos são usados e as canções vão ganhando uma cara diferente das originais. O peso em "O Children", o estilo gospel em "The Kindness of Strangers" ou ainda o piano dominando "No More Shall We Part". Tudo isso mostra como as letras de Cave são mais flexíveis do que imaginamos ao longo dos anos, o que pode gerar uma nova perspectiva para a carreira o cantor em um futuro próximo.

Outro momento acima do esperado vem em "The Ship Song", essa com uma cara mais próxima do Flaming Lips — imagino Coyne a cantando nos shows sem o menor problema. E o encerramento vem com "We Know Who You Are", outra interpretação delicada de uma letra de Cave.

A parceria de Nell Smith e Flaming Lips faz de "Where the Viaduct Looms" uma grata surpresa nesse final de 2021. Reinterpretar o trabalho de alguém como Nick Cave não é fácil, mas essa parceria está pronta para mais projetos no futuro. Aqui, eles passaram no teste.

Tracklist:

1 - "Girl in Amber"
2 - "Weeping Song"
3 - "Into My Arms"
4 - "O Children"
5 - "The Kindness of Strangers"
6 - "No More Shall We Part"
7 - "Red Right Hand"
8 - "The Ship Song"
9 - "We Know Who You Are"

Avaliação: muito bom

Continue no blog: