Resenha: O Diabo na Encruzilhada, de Brian Oakes


O texto saiu com exclusividade na newsletter do blog, publicada toda sexta-feira. Assine para não perder nada

A história de Robert Johnson na música é tão encorpada pela lenda de ele ter feito um acordo com o diabo em uma encruzilhada e ter virado uma lenda do blues, que quase ninguém tenta ver além. Esse acaba sendo o papel do documentário "O Diabo na Encruzilhada", disponível na Netflix.

Em pouco menos de uma hora, o longa usa a história mais conhecida por trás do mito para ampliar a abordagem sobre ele. Por exemplo, Johnson estava na estrada, escondido, quando perdeu a primeira mulher e filho. Culpado pelos outros e sentindo-se culpado, a vida dele nunca mais foi a mesma.

Veja também:
Resenha: The Velvet Underground, de Todd Haynes
Resenha: PJ Harvey - Um Cão Chamado Dinheiro, de Seamus Murphy
Resenha: Elvis Presley - The Searcher, de Thom Zimny
Resenha: Britney vs Spears, de Erin Lee Carr
Resenha: Howard - Sons de um Gênio, de Don Hahn
Resenha: Massacre no Estádio - A História de Víctor Jara, de Bent-Jorgen Perlmutt

Estou no Twitter e no Instagram. Ouça o podcast, compre livros na Amazon e fortaleça o trabalho do blog!

As entrevistas dos netos, pesquisadores e músicos que amam a curta e fundamental obra do músico iluminam o caminho para entender a vida de Johnson, abreviada aos 27 anos por envenenamento.

Mas é claro que a lenda é abordada e assim podemos aprender um pouco mais sobre as religiões afroamericanas, como o blues nasceu e alguns dos músicos mais famosos do gênero nos primórdios. E também é fundamental entender que aquela era a primeira geração de negros após a abolição da escravidão e o final da Guerra Civil, dois momentos que ainda não cicatrizaram por completo na história dos Estados Unidos.

"O Diabo na Encruzilhada" é um documentário muito importante não só para aprendermos sobre a lenda de Robert Johnson, mas para conhecer um pouco mais do homem que, cheio de defeitos e qualidades, moldou o blues como conhecemos e ajudou na formatação do rock.

Avaliação: muito bom

Continue no blog: