quinta-feira, 21 de outubro de 2021

Resenha: Howard - Sons de um Gênio, de Don Hahn


O texto saiu com exclusividade na newsletter do blog, publicada toda sexta-feira. Assine para não perder nada.

Hoje, a Disney é uma máquina de fazer dinheiro com produções para cinema, TV e streaming, além de parques e produtos com os integrantes do clube do Mickey — que vai de Star Wars e Marvel até o Pateta. Mas não foi sempre assim.

Os anos 1970 e 1980 do estúdio foram terríveis e cada lançamento, tirando uma ou outra exceção, eram desastrosos. Até que, em meados dos anos 1980, o CEO Jeffrey Katzenberg resolveu tomar uma atitude para revitalizar as divisões de cinema e animação. E ele precisava de gente disposta a entrar com tudo nessa empreitada. Assim, Howard Ashman foi contratado pela empresa e fez história ao compor as letras dos clássicos "A Pequena Sereia", "A Bela e a Fera" e parte de "Aladdin".

Veja também:
Resenha: Massacre no Estádio - A História de Víctor Jara, de Bent-Jorgen Perlmutt
Resenha: Nixon e o Homem de Preto, de Sara Dosa e Barbara Kopple
Resenha: The Devil and Daniel Johnston, de Jeff Feuerzeig
Resenha: Ratones Paranoicos - Por Trás das Câmeras, de Plástico
Resenha: Marianne e Leonard - Palavras de Amor, de Nick Broomfield
Resenha: Chorão - Marginal Alado, de Felipe Novaes

Estou no Twitter e no Instagram. Ouça o podcast, compre livros na Amazon e fortaleça o trabalho do blog!

O documentário "Howard - Sons de um Gênio", disponível no Disney+, conta a história de como o compositor mudou o patamar da Disney para sempre. Dirigido por Don Hahn, famoso produtor-executivo da Disney, o longa se apoia nas inúmeras imagens de arquivo do compositor e nos depoimentos de amigos e companheiros de trabalho.

Nascido em Baltimore, Ashman sempre teve uma mente ativa para criar musicais desde pequeno. Esse talento o levou a estudar teatro e a tentar a vida em Nova York. Entre sucessos e fracassos, trabalhar com ele era ver uma pessoa sem formação musical conseguindo, por dar ricos detalhes, fazer suas composições ganharem vida de maneira muito genuína.

Hahn mostra detalhes da infância e adolescência do compositor, fala abertamente sobre Ashman ser gay e como a comunidade o moldou ao longo dos anos, principalmente quando a epidemia de AIDS chegou com tudo e era tratada como "câncer gay". Ele acabou contraindo o vírus em uma época em que pouco se sabia sobre o assunto e era uma sentença de morte — basta lembrar do caso do cantor Cazuza, morto em consequência da doença alguns meses antes de Ashman.

E foi doente que ele ajudou a criar três animações clássicas da Disney. Ele era tão importante que, quando já não tinha mais forças para viajar até o estúdio na Califórnia, os animadores se mudaram para Nova York para trabalhar com ele. Tudo com apoio a Disney.

"Howard - Sons de um Gênio" é uma importante e bonita homenagem a uma pessoa que não só fez muito pelo estúdio em um momento difícil, como contribuiu para o teatro em peças famosas e na adaptação de uma delas para o cinema, caso de "A Pequena Casa dos Horrores". Se existe alguém que merece uma estátua na Disney, esse alguém é Howard Ashman.

Avaliação: muito bom

Continue no blog: