Mais no blog:

quinta-feira, 7 de outubro de 2021

Resenha: The Devil and Daniel Johnston, de Jeff Feuerzeig


O texto saiu com exclusividade na newsletter do blog, publicada toda sexta-feira. Assine para não perder nada.

Poucos artistas no mundo conseguem ter impacto real na vida das pessoas. E não digo fenômenos efêmeros de redes sociais, não. Digo artistas mesmo, desses que usam o respectivo talento para fazer transformações profundas naquilo que fazem e praticamente reinventam a roda de tão especiais que são.

Esse é o caso de Daniel Johnston (1961-2019), um artista que viveu intensamente, produziu muito e fez da própria vida uma arte. A história dele foi contada em 2005, no documentário "The Devil and Daniel Johnston", com o horrível título de "Loucuras de um Gênio" no Brasil.

Veja também:
Resenha: Ratones Paranoicos - Por Trás das Câmeras, de Plástico
Resenha: Marianne e Leonard - Palavras de Amor, de Nick Broomfield
Resenha: Chorão - Marginal Alado, de Felipe Novaes
Resenha: Woodstock 99 - Paz, Amor e Fúria, de Garret Price
Resenha: American Rapstar, de Justin Staple
Resenha: Crock of Gold - A Few Rounds with Shane MacGowan, de Julien Temple

Estou no Twitter e no Instagram. Ouça o podcast, compre livros na Amazon e fortaleça o trabalho do blog!

Dirigido por Jeff Feuerzeig, o longa começa mostrando como Johnston era considerado um garoto brilhante e criativo na infância, mas, quando o transtorno bipolar chegou, a vida dele e das pessoas próximas não foi mais a mesma. Para começar, ele passou a gravar diários em fita e a contar a própria vida. E passou a pintar. Disso, passou a compor. O desejo dele em ser um artista era notório e ninguém o pararia, nem mesmo o distúrbio.

Para a família dele, Johnston passou a ser um problema pelas variações de humor constantes, abandonos de empregos e muitos outros problemas, contados em detalhes. Até internado em clínicas ele foi, mas nunca deixou de seguir criando, seja desenhando ou compondo.

Em uma história tão cheia de altos e baixos, idas e vindas, é fundamental uma direção que organize isso. E Feuerzeig faz isso muito bem, principalmente pela habilidade em aproveitar o conteúdo das fitas para que o próprio músico fale sobre ele mesmo, suas criações e mais, algo importante para tentarmos compreender como a cabeça dele funcionava.

Complementado por depoimentos e histórias paralelas de amigos e familiares, "The Devil and Daniel Johnston" não tenta fazer de Johnston um santo pelo talento incrível ou crucificá-lo pelas atitudes ruins que teve em algum momento da vida. É um documentário dos mais bonitos para mostrar como alguém genioso e genial pode impactar a vida de muita gente de um jeito ou de outro. E, sem dúvida, ele fez isso.

Avaliação: ótimo

Continue no blog: