Mais no blog:

segunda-feira, 5 de outubro de 2020

Resenha: Will Butler - Generations


O primeiro trabalho solo de Will Butler, membro do Arcade Fire, saiu em 2015. "Policy" era uma pequena mostra de tudo que ele gostava e sonhava em fazer, pelo menos no trabalho em que tem 100% do controle criativo. Muita coisa mudou nos últimos cinco anos, inclusive a banda principal tocada por ele, o irmão (Win Butler) e a cunhada (Régine Chassagne). O que não mudou foi o fato de o Butler mais novo encher de referências o segundo álbum solo da carreira.

"Generations" mostra que Will é bastante eficiente em conseguir concentrar tudo que gosta em pouco menos de uma hora de álbum. Do eletrônico ao pós-punk, de canções parecidas com as lançadas pelo Arcade Fire nos últimos anos a coisas completamente opostas, é bom saber que um músico como ele, com um projeto muito sólido, ainda tem tempo e material de sobra para fazer um disco solo bastante competente.

Veja também:
Resenha: Fleet Foxes - Shore
Resenha: Bob Mould - Blue Hearts
Resenha: Napalm Death - Throes of Joy in the Jaws of Defeatism
Resenha: Osees - Protean Threat
Resenha: Flaming Lips - American Head
Resenha: Bill Callahan - Gold Record


"Outta Here" abre cheia de efeitos e tem muito do pós-punk nela, em uma mistura de um tom um tanto mais sombrio com o eletrônico, depois passa para a agitada e cheia e guitarras "Bethlehem", inclui "Close My Eyes", uma balada bem suave e de refrão bem grudento, e chega até a sombria "I Don't Know What I Don't Know". Quatro canções completamente diferentes que mostram bem como Will Butler tem um olhar diferente para a música e consegue aliar tudo isso.

A faixa mais surpreendente de todas é "Surrender", uma espécie de canção gospel-indie feita para lamentar uma lembrança feita para ser esquecida, mas que insiste em dominar a cabeça por dias e dias. Dançante, consegue ser atrativa a ponto de querer dançar ao mesmo tempo em que melancólica e no tom certo na letra para ter identificação por qualquer um que a escute.

Diferentemente do outro trabalho, em que soou como uma colagem de várias histórias, "Generations" é uma história só com início meio e fim. Cheia de variações, tem momento dançantes e outros mais pesados ao conseguir contar uma história muito bem. Fora ou dentro do Arcade Fire, ele é um músico muito bom. Mesmo.

Tracklist:

1 - "Outta Here"
2 - "Bethlehem"
3 - "Close My Eyes"
4 - "I Don't Know What I Don't Know"
5 - "Surrender"
6 - "Hide It Away"
7 - "Hard Times"
8 - "Promised"
9 - "Not Gonna Die"
10 - "Fine"

Avaliação: muito bom




Continue no blog:


Siga o blog no Twitter e no Facebook e assine o canal no YouTube. Compre livros na Amazon e fortaleça o trabalho do blog!

Gostou do post? Compartilhe nas redes sociais e indique o blog aos amigos!