Mais no blog:

terça-feira, 22 de setembro de 2020

Resenha: Flaming Lips - American Head


Há muitos anos, o Flaming Lips tem se aprofundado muito em um lado experimental que foi ganhando corpo no início dos anos 2000 e virou algo quase incontrolável. E os últimos trabalhos lançados, "The Terror" (2013), "Oczy Mlody" (2017) e "King's Mouth" (2019), são uma viagem completa que dividiu bastante gente. Particularmente eu gosto muito, mas entendo quem não curte e prefere o material um pouco mais antigo.

Em uma espécie de retorno aos trabalhos mais antigos, talvez envolvido pelo fato de "The Soft Bulletin" ter completado 20 anos em 2019, o Flaming Lips disponibilizou nos últimos dias "American Head", 16º álbum de estúdio. E começa com "Will You Return / When You Come Down", uma ótima faixa para abrir o disco e, por que não, os futuros shows.

Veja também:
Resenha: Bill Callahan - Gold Record
Duas resenhas: Kelly Lee Owens e Bettye LaVette
Duas resenhas: PVRIS e Molly Tuttle
Resenha: Boogarins - Manchaca Vol. 1
Resenha: Angel Olsen - Whole New Mess
Dois discos: Guided by Voices e The Lemon Twigs


O álbum segue em uma toada das mais interessantes, principalmente por conseguir criar um clima mais palatável para quem não gostou dos discos anteriores ao conseguir variar entre faixas instrumentais e bonitas baladas, como "Flowers of Neptune 6" e "Dinosaurs on the Mountain".

Wayne Coyne também aproveita para falar sobre uma variedade muito grande de assuntos. Em "Mother I've Taken LSD", ao invés do que muita gente fala quando usa LSD para ter algum tipo de revelação que mudará de vida para sempre, ele fala sobre uma tristeza surgida nele que não sai, e isso o mudou para sempre. Ou como fala muito diretamente sobre a morte em "Brother Eye", ou ainda como projeta um mundo ideal para ele como vendedor de maconha em "You n Me Sellin' Weed", ou ainda uma experiência de ter uma arma apontada para si durante um assalto ainda na adolescência contada em "Mother Please Don't Be Sad".

"American Head" é um disco bastante melancólico, sentimento que muita gente tem com relação ao atual momento do mundo. A melancolia vem da falta de esperança sobre o futuro, que Coyne também aborda no álbum. É um trabalho mais pesado emocionalmente do que os anteriores, mais reflexivo e menos experimental, mas ainda é o Flaming Lips. E é um álbum muito bom por conseguir unir o melhor da banda em uma versão um pouco diferente do normal.

Tracklist:

1 - "Will You Return / When You Come Down"
2 - "Watching the Lightbugs Glow"
3 - "Flowers of Neptune 6"
4 - "Dinosaurs on the Mountain"
5 - "At the Movies on Quaaludes"
6 - "Mother I've Taken LSD"
7 - "Brother Eye"
8 - "You n Me Sellin' Weed"
9 - "Mother Please Don't Be Sad"
10 - "When We Die When We're High"
11 - "Assassins of Youth"
12 - "God and the Policeman" (feat. Kacey Musgraves)
13 - "My Religion Is You"

Avaliação: muito bom




Continue no blog:


Siga o blog no Twitter e no Facebook e assine o canal no YouTube. Compre livros na Amazon e fortaleça o trabalho do blog!

Gostou do post? Compartilhe nas redes sociais e indique o blog aos amigos!