Mais do blog:

quarta-feira, 9 de setembro de 2020

Resenha: Bill Callahan - Gold Record


Bill Callahan é um desses veteranos que não viu o tempo passar. Com seu projeto Smog, ele lançou discos ao longo de 25 anos, mas, em 2007, simplesmente resolveu assumir o próprio nome e lançou o primeiro trabalho. E assim ele está indo, disponibilizando músicas inéditas quase anualmente -- com um curto hiato de cinco anos separando o disco do ano passado com o de 2014. "Gold Record" é o sétimo álbum como Bill Callahan e o 21º de uma carreira de mais de três décadas.

Ele abre o trabalho dizendo "hello, I'm Johhny Cash". Um choque que me fez olhar se não havia dado play no disco errado. Não, não dei. Então, o que esperar de um trabalho que começa assim? A melancolia está presente o tempo quase inteiro em canções delicadas e muito bem estruturadas em todos os aspectos. É aquele tipo de álbum que muita gente vai chorar ouvindo.

Veja também:
Duas resenhas: Kelly Lee Owens e Bettye LaVette
Duas resenhas: PVRIS e Molly Tuttle
Resenha: Boogarins - Manchaca Vol. 1
Resenha: Angel Olsen - Whole New Mess
Dois discos: Guided by Voices e The Lemon Twigs
Resenha: The Killers - Imploding The Mirage


Como não ficar emocionado com "Pigeons"? Ou como não pensar na vida logo após ouvir "Another Song"? Ou ainda ter aquela sensação de envelhecimento em "35"? "Gold Record" é o tipo de álbum que vai dialogar muito com as pessoas, ainda mais nesses tempos de pandemia em que a obrigação de convivência com você mesmo acaba -- por bem ou por mal -- transformando as pessoas que precisaram se encarar pela primeira vez na vida.

Se você é um pouco mais versado em Leonard Cohen, vai sacar que o estilo (e até mesmo o tom de voz) é bem parecido em alguns momentos. E, até por isso, as letras ficam ainda mais pesadas com esse tipo de interpretação. E os elementos inseridos nos arranjos também fazem muita diferença no casamento com as letras -- espetaculares, diga-se.

"Gold Record" é o tipo de álbum que te pega delicadamente pelo braço e encaminha por uma jornada das mais bonitas sobre a vida. Bill Callahan tem o cuidado de não ser invasivo e usa a delicadeza para mostrar certa melancolia. E nesses tempos, funciona e emociona.

Tracklist:

1 - "Pigeons"
2 - "Another Song"
3 - "35"
4 - "Protest Song"
5 - "The Mackenzies"
6 - "Let's Move to the Country"
7 - "Breakfast"
8 - "Cowboy"
9 - "Ry Cooder"
10 - "As I Wander"

Avaliação: ótimo




Continue no blog:


Siga o blog no Twitter e no Facebook e assine o canal no YouTube. Compre livros na Amazon e fortaleça o trabalho do blog!

Gostou do post? Compartilhe nas redes sociais e indique o blog aos amigos!