Mais no blog:

quinta-feira, 1 de outubro de 2020

Resenha: Fleet Foxes - Shore


Banda surgida no final da primeira década dos anos 2000, o Fleet Foxes nem sequer havia amadurecido musicalmente quando entrou em um período de pausa na carreira entre 2011 e 2017, quando retornou com "Crack-Up". Para o novo trabalho, o segundo pós-retorno, a banda liderada por Robin Pecknold trabalhou ao longo de dois anos, entre 2018 e 2020, sempre em setembro. Sim, isso mesmo, "Shore" foi finalizado poucas semanas antes do lançamento.

Diferente dos outros trabalhos, em algumas faixas, Pecknold simplesmente trabalhou sozinho e abriu o leque para novas colaborações, como a banda de metais The Westerlies, o músico Kevin Morby e o vocalista da banda brasileira O Terno, Tim Bernardes. Tudo isso entrou em um álbum muito mais delicado e melancólico do que os anteriores, um salto tanto no estilo de compôr e nos arranjos.

Veja também:
Resenha: Bob Mould - Blue Hearts
Resenha: Napalm Death - Throes of Joy in the Jaws of Defeatism
Resenha: Osees - Protean Threat
Resenha: Flaming Lips - American Head
Resenha: Bill Callahan - Gold Record
Duas resenhas: Kelly Lee Owens e Bettye LaVette


"Shore" é o tipo de álbum que, caso você goste desse folk moderno, vai seguir com a audição para saber aonde vai dar. O início com "Wading in Waist-High Water" e "Sunblind", momento em que Morby dá o ar da graça, encantam e chamam atenção pela delicadeza usada e o tom para falar de formas diferente sobre morte e/ou pessoas que morreram e como isso impactou a vida de Pecknold de alguma maneira -- sejam essas pessoas famosas ou não.

Essa temática ajuda o álbum a caminhar em diversos assuntos sem sair do tema. "Jara" é uma referência explicita ao cantor chileno Victor Jara, morto pela ditadura Pinochet, ou ainda partir de uma reflexão que muitos dos problemas pessoais são fagulhas perto de coisas maiores ("Featherweight"), ou quanto viver do passado é perigoso na hora de pensar no futuro.

Cheio de referências dos mais diversos estilos, gêneros e músicos, "Shore" apresenta um Fleet Foxes mais velho e mais melancólico -- se tudo é uma consequência um do outro só cada um sabe --, e isso se reflete no tipo de música apresentada. É o tipo de álbum -- um álbum, diga-se, é muito bom -- que, dependendo da pessoa, vai ficar gravado na memória por dias e dias.

Tracklist:

1 - "Wading in Waist-High Water"
2 - "Sunblind"
3 - "Can I Believe You"
4 - "Jara"
5 - "Featherweight"
6 - "A Long Way Past the Past"
7 - "For a Week or Two"
8 - "Maestranza"
9 - "Young Man's Game"
10 - "I'm Not My Season"
11 - "Quiet Air / Gioia"
12 - "Going-to-the-Sun Road" (feat. Tim Bernardes)
13 - "Thymia"
14 - "Cradling Mother, Cradling Woman"
15 - "Shore"

Avaliação: muito bom




Continue no blog:


Siga o blog no Twitter e no Facebook e assine o canal no YouTube. Compre livros na Amazon e fortaleça o trabalho do blog!

Gostou do post? Compartilhe nas redes sociais e indique o blog aos amigos!