Mais do blog:

segunda-feira, 24 de agosto de 2020

Resenha: The Killers - Imploding The Mirage


O tempo passa para todo mundo, e isso é ago inevitável. Também passou para o Killers, banda que tem no trabalho de estreia o grande pilar da carreira, enquanto os trabalhos seguintes ficam numa espécie de gangorra que divide público e crítica. em discussões acaloradas sobre a qualidade geral da discografia. Mas é inegável a capacidade de Brandon Flowers em criar bons singles quando está inspirado. Essa é a esperança de "Imploding The Mirage", sexto trabalho de estúdio do grupo, que conta com, além de Flowers, Ronnie Vannucci Jr. e Mark Stoermer na atual formação.

Um das coisas que geraram boas músicas e problemas foi a tentativa do Killers em ser uma banda gigante, dessas que enchem arenas pelo mundo e vendem milhões de discos o tempo inteiro. E esse movimento não aconteceu apenas com o grupo, mas com mais gente surgida mais ou menos na mesma época. Todo mundo quer ser o próximo o U2, como se isso fosse um certificado de validade sobre ser boa ou não.

Veja também:
Resenha: Helvetia - This Devastating Map
Resenha: Alain Johannes - Hum
Resenha: King Buzzo with Trevor Dunn - Gift of Sacrifice
Resenha: Fantastic Negrito - Have You Lost Your Mind Yet?
Resenha: Glass Animals - Dreamland
Resenha: Washed Out - Purple Noon


Nisso, o Killers se perdeu bastante no repertório. Apesar de alguns bons singles de maneira geral, aliados com os sucessos do primeiro álbum, era pretensão demais para músicas boas de menos. Demorou, mas parece que eles entenderam o recado e fizeram de "Imploding The Mirage" um tipo de pedido de desculpas por colocar tanta energia e talento em músicas pouco criativas ou "modernas" -- sim, entre aspas mesmo.

A música de abertura do novo álbum, ainda que tenha elementos dos trabalhos anteriores, tem aquela energia dos dois primeiros trabalhos. E principal e fundamental: as guitarras parecem ter voltado, ainda que só em alguns momentos como força complementar ao resto. Não dá para saber se é algo passageiro (ou mesmo motorista), porém acaba sendo um dos fatores de ajuda a dar algo a mais em uma banda com instrumentistas e colaboradores muito talentosos.

Além disso, a capacidade da banda em fazer uma boa música com um refrão grudento segue bem em alta. "Dying Breed", "Caution" e "Running Towards a Place" são três bons exemplos de sucesso em conseguir fazer esse tipo de abordagem com um bom aproveitamento.

"Wonderful Wonderful" (2017) foi o primeiro sinal de recuperação do Killers depois de alguns anos vivendo apenas de singles. Com o lançamento de "Imploding The Mirage", eles retomam de vez o bom caminho com outro disco de boa qualidade. A esperança de um trabalho tão bom quanto o primeiro já foi abandonada há tempos, mas eles não mereciam ficar vivendo do passado e de uma juventude que não voltam mais. Espero que esse seja o recomeço de uma bela retomada.


Tracklist:

1 - "My Own Soul's Warning"
2 - "Blowback"
3 - "Dying Breed"
4 - "Caution"
5 - "Lightning Fields" (featuring k.d. lang)
6 - "Fire in Bone"
7 - "Running Towards a Place"
8 - "My God" (featuring Weyes Blood)
9 - "When the Dreams Run Dry"
10 - "Imploding the Mirage"

Avaliação: muito bom



Continue no blog:


Siga o blog no Twitter e no Facebook e assine o canal no YouTube. Compre livros na Amazon e fortaleça o trabalho do blog!

Gostou do post? Compartilhe nas redes sociais e indique o blog aos amigos!