Mais no blog:

terça-feira, 11 de agosto de 2020

Resenha: Washed Out - Purple Noon


Os sintetizadores têm feito parte da história da música desde meados dos anos 1960, com uma popularização na década seguinte e auge nos anos 1980. Com o passar dos anos, a relação entre as gravadoras e artistas mudou drasticamente. Hoje, não é mais necessário ter um contrato para lançar um álbum e os serviços de streaming e estão prontos -- e adoram -- para receber esses trabalhos feitos em casa. O instrumento virou parte fundamental dessa independência criativa de pelo menos duas gerações de músicos.

Um desses músicos dessa nova geração é Washed Out, de nome Ernest Weatherly Greene Jr. Surgido no MySpace -- sim, isso denuncia muito a idade --, ele começou a fazer sucesso com EPs e tocou em festivais antes mesmo de lançar o primeiro trabalho, em 2011, quando foi contratado pela gravadora Sub Pop. Na última sexta-feira (7), ele lançou "Purple Noon", quarto álbum da carreira.

Veja também:
Resenha: Deep Purple - Whoosh!
Resenha: Alanis Morissette - Such Pretty Forks in the Road
Resenha: The Psychedelic Furs - Made of Rain
Resenha: Fontaines D.C. - A Hero's Death
Dois discos: The Chicks e Ellie Goulding
Dois discos: Courtney Marie Andrews e Lori McKenna


Dificilmente vou ouvir algo mais chato do que isso na música nesse ano. "Purple Noon" é entediante do início ao fim. Sabe os adultos falando no desenho do Snoopy? Aquele wah-wah, wah- wah? É exatamente o que ouço nesse álbum. Apenas um som pouco atraente para manter a atenção por mais de uma ou duas música, isso com muito boa vontade.

Dificilmente nenhuma música presta em um álbum. Geralmente, em um disco muito ruim, tem pelo menos uma música realmente atraente que acaba funcionando de alguma forma. Nesse caso aqui, não tem nenhuma. Zero. Necas de nada, porque tudo é incrivelmente chato e sem sal do início ao fim. Tive que ouvir esse disco quatro vezes e já sei que é um tempo perdido jamais recuperado novamente.

"Purple Noon" é o típico caso de trabalho que, se alguém lembrar da existência dele, será em um tipo de aula chamada "como não fazer um disco contagiante". Mas você quer ouvir esse álbum? Vá por sua conta e risco, e não me culpe se não gostar. Eu tentei avisar.

Tracklist:

1 - "Too Late"
2 - "Face Up"
3 - "Time to Walk Away"
4 - "Paralyzed"
5 - "Reckless Desires"
6 - "Game of Chance"
7 - "Leave You Behind"
8 - "Don't Go"
9 - "Hide"
10 - "Haunt"

Avaliação: ruim



Continue no blog:



Siga o blog no Twitter e no Facebook e assine o canal no YouTube. Compre livros na Amazon e fortaleça o trabalho do blog!

Gostou do post? Compartilhe nas redes sociais e indique o blog aos amigos!