Mais do blog:

quinta-feira, 25 de junho de 2020

Resenha: Lamb of God - Lamb of God


Pode não parecer, mas o Lamb pf God tem mais de duas décadas de carreira. Ao longo dos anos, principalmente nos últimos dez, a banda tem conseguido uma boa popularidade ao conseguir furar a bolha do fã comum de heavy metal para conseguir atingir outro público. Cinco anos após o último disco de inéditas, chamado "VII: Sturm und Drang", eles retornam com um novo álbum de inéditas e prontos para voos mais altos -- isso se a pandemia deixar.

Em tempos de coronavírus e saudades de um tumulto (né, minha filha?), O Lamb of God apresenta um trabalho bastante pesado tanto do ponto de vista das letras, quanto do ponto de vista estético. Recheado de guitarras bem altas e solos, o álbum com o nome da banda pode ser um perfeito resumo da carreira e de desejos para o futuro. O início, com "Memento Mori", é um tanto assustador ao saber que a faixa foi escrita antes da pandemia -- parece que o vocalista Randall Blythe estava adivinhando que algo estava por vir. É bem difícil abrir um disco com a melhor faixa, mas eles conseguiram.

Veja também:
Resenha: Phoebe Bridgers - Punisher
Resenha: Neil Young - Homegrown
Resenha: Bob Dylan - Rough and Rowdy Ways
Resenha: Ira! - IRA
Resenha: Jehnny Beth - To Love Is To Live
Resenha: Built to Spill - Built to Spill Plays the Songs of Daniel Johnston


Assim como a abertura, o resto do álbum não foi escrito falando de uma pessoa ou momentos específicos recentes. A intenção era mostrar uma visão geral dos assuntos, mas, como o mundo está de ponta cabeça e sem a menor previsão de conseguir ter uma certa normalidade por algum tempo, acabou encaixando em diversas situações recentes. Um exemplo é "Checkmate", que poderia ser uma faixa sobre os políticos dos países líderes nos casos de coronavírus no mundo.

Mas "Lamb of God" não é apenas uma abertura de debate. Há discussões mais diretas, como em "Routes". Blythe escreveu a letra após conviver e participar dos protestos contra a passagem de um gasoduto por uma reserva de nativos-americanos e, para acompanhá-lo no vocal, convidou Chuck Billy, do Testament -- ele é descendente direto de nativos-americanos.

Em um trabalho como esse, com esse teor mais reflexivo, o torna ainda melhor para ouvi-lo nesse momento. Além disso, ainda tem tudo (ou quase) que um fã de thrash metal gosta. Mas, pelo menos aqui, o Lamb of God soa muito mais do só uma banda do gênero. E ainda bem.

Tracklist:

1 - "Memento Mori"
2 - "Checkmate"
3 - "Gears"
4 - "Reality Bath"
5 - "New Colossal Hate"
6 - "Resurrection Man"
7 - "Poison Dream" (feat. Jamey Jasta)
8 - "Routes" (feat. Chuck Billy)
9 - "Bloodshot Eyes"
10 - "On the Hook"

Avaliação: ótimo



Continue no blog:



Siga o blog no Twitter e no Facebook e assine o canal no YouTube. Compre livros na Amazon e fortaleça o trabalho do blog!

Gostou do post? Compartilhe nas redes sociais e indique o blog aos amigos!