Mais do blog:

quarta-feira, 22 de abril de 2020

Resenha: Fiona Apple - Fetch the Bolt Cutters


Um dos maiores nomes da disco da história da música mundial, "The Idler Wheel Is Wiser Than the Driver of the Screw and Whipping Cords Will Serve You More Than Ropes Will Ever Do" (2012) era o último trabalho de inéditas de Fiona Apple. A cantora tem uma certa áurea em torno dela e os fãs adoram. Basicamente, depois do último lançamento ela só fez aparições esporádicas nos anos seguintes e só. Em um mundo cheio de câmeras e globalizado em que toda informação voa com uma velocidade incrível, conseguir um mínimo de privacidade é algo notável.

"Fetch the Bolt Cutters" foi feito ao longo de cinco anos e o título é inspirado na série "The Fall", protagonizada pela atriz Gillian Anderson. O disco começa com uma balada à Fiona Apple sobre como as pessoas mudam ao longo dos anos. A cantora apresenta de cara algo bastante reflexivo e, em tempos de quarentena, pode pesar na cabeça de algumas pessoas. A escolha dos arranjos também é bem pesada, algo também comum na carreira dela.

Veja também:
Resenha: Laura Marling - Song for Our Daughter
Resenha: The Strokes - The New Abnormal 
Resenha: Lô Borges - Dínamo
Dois discos: Guided By Voices e M. Ward
Resenha: Yves Tumor - Heaven To A Tortured Mind
Resenha: Thundercat - It Is What It Is


A composição traz das histórias da cantora ao longo da vida, como em "Shameika" (a força do piano aqui é incrível) e a faixa-título. Aliás, o conceito do álbum é sobre como ela foi julgada no início da carreira e ficou muito mal por isso ao longo dos anos. Mas, assim como uma cena de Anderson na série, era hora de cortar as cordas e se libertar desse sentimento ruim. Ela levou oito anos para colocar para fora e valeu a pena.

O novo trabalho da compositora é bem semelhante ao que fazem -- ou fizeram -- Nick Cave, Tom Waits e Leonard Cohen ao longo da carreira. Conseguir transformar sua própria história, amores, dores e angústia em música não é fácil, mas conseguir aliar tudo isso com arranjos de bom gosto e de uma forma linear ao transformar o álbum quase em um livro musicado não é para muitos. Em "Relay", parte da letra saiu quando Apple tinha apenas 15 anos -- o palavrão veio aos 42.

É muito difícil não criar algum tipo de identificação com a letras, já que bastante gente deve ter passado por coisas semelhantes ao longo da vida. E o jeito como ela apresenta as canções, de maneira bastante experimental, mostra como existe algum tipo de relaxamento com a própria carreira a ponto de chegar ao estágio de fazer o que bem entender sem se preocupar. E que bom.

Fiona Apple parece ter se soltado de qualquer amarra pessoal e profissional. As criticas sofridas serviram para ajudar nesse crescimento e deram ao mundo um dos melhores álbuns do ano neste primeiro semestre de 2020. Agora é torcer para o sucessor de "Fetch the Bolt Cutters" não demorar quase uma década para sair.

Tracklist:

1 - "I Want You to Love Me"
2 - "Shameika"
3 - "Fetch the Bolt Cutters"
4 - "Under the Table"
5 - "Relay"
6 - "Rack of His"
7 - "Newspaper"
8 - "Ladies" (Sebastian Steinberg/ Davíd Garza)
9 - "Heavy Balloon"
10 - "Cosmonauts"
11 - "For Her"
12 - "Drumset"
13 - "On I Go"

Avaliação: excelente



Continue no blog:



Siga o blog no Twitter e no Facebook e assine o canal no YouTube. Compre livros na Amazon e fortaleça o trabalho do blog!

Gostou do post? Compartilhe nas redes sociais e indique o blog aos amigos!