Mais do blog:

terça-feira, 24 de março de 2020

Resenha: Childish Gambino - 3.15.20


Childish Gambino foi um dos grandes nomes dos últimos anos na música com o incrível clipe do single "This Is America", em que a realidade das ruas foi mostrada de maneira primorosa pelo também criador da série "Atlanta". Antecipado e retirado do ar no dia 15 deste mês, por isso o nome do trabalho, o quarto disco (e segundo ele mesmo o último com esse nome) foi disponibilizado oficialmente dias depois em todas as plataformas de streaming.

Para começar, o disco inteiro só tem duas faixas com um título que não é o número em que cada canção começa: a primeira é "Algorhythm", canção que era o lado B de "This is America", tem um andamento bem pesado, cheio de efeitos e de refrão dançante, mostrando que é um trabalho cheio das mais referências -- do R&B bem dançante, passando pelo funk americano, indo até a música eletrônica dos anos 1990 e o uso do sintetizador com estilo dos anos 1980 amarrando tudo isso em diversos momentos cheios de efeitos vocais.

Veja também:
Resenha: Låpsley - Through Water
Resenha: Deap Lips - Deap Lips
Dois discos: Mehdi Nabti and Prototype e The Orielles
Resenha: James Taylor - American Standard
Resenha: Letrux - Letrux aos Prantos
Resenha: Body Count - Carnivore


A segunda é "Time", com participação de Ariana Grande, em que a letra fala sobre a falta de direção do mundo neste exato momento. O uso da voz cheia de efeitos e o tom do arranjo transformou a mensagem em uma espécie de gospel eletrônico e casa bem com a ideia geral. O início conta com uma canção que parece chamar para algo muito mais do que um disco.

O resto segue uma linha em que Gambino conta várias histórias nas faixas sem praticamente corte entre elas, algo que funciona muito bem no streaming quando bem feito. Ele também acerta ao mesclar bem o lado mais dançante com algo mais pesado. Esse balanço é fundamental para equilibrar bem o álbum em seus quase 60 minutos de duração. Mas é em "35.31" que sai o grande momento na melhor faixa do trabalho por ganhar o ouvinte ao ser cheia de ritmo.

Childish Gambino já havia surpreendido o mundo uma vez há dois anos com o principal single da carreira. Agora, ele lança um dos melhores álbuns de 2020 ao ser, como disse Guilherme Guedes no Twitter, uma espécie de D'Angelo futurista. Duro na mensagem, ele conseguiu fazer do trabalho uma mistura de festa com depoimentos sinceros sobre a vida. "3.15.20" é bem necessário nesse momento.


Tracklist:

1 - "0.00"
2 - "Algorhythm"
3 - "Time"
4 - "12.38"
5 - "19.10"
6 - "24.19"
7 - "32.22"
8 - "35.31"
9 - "39.28"
10 - "42.26"
11 - "47.48"
12 - "53.49"

Avaliação: ótimo



Continue no blog:


Siga o blog no Twitter e no Facebook e assine o canal no YouTube. Compre livros na Amazon e fortaleça o trabalho do blog!

Gostou do post? Compartilhe nas redes sociais e indique o blog aos amigos!