Mais do blog:

segunda-feira, 17 de fevereiro de 2020

Resenha: Tame Impala - The Slow Rush


Dessas novas bandas de sucesso, ou seja lá o que isso signifique, o Tame Impala é dessas que gera amor e ódio na mesma proporção. Considerada muito boa por alguns, detestada por outros, fato é que -- pelo menos no universo de quem acompanha o mercado da música -- é difícil ficar incólume a qualquer lançamento da banda liderada por Kevin Parker. "The Slow Rush" é o quarto disco de estúdio e sucessor de "Currents" (2015).

Parker tem uma linha de trabalho, como é possível ouvir na abertura do álbum, em que a mistura de elementos nos arranjos formam uma peça única em que o compositor consegue ter uma base para desenvolver o resto do material. "One More Year" inicia, em certo ponto, de maneira melancólica até ficar um tanto mais agitada na segunda metade. Não dá para dizer que todo mundo vai gostar, mas quem é fã seguirá em frente na audição.

Veja também:
Dois discos: ...And You Will Know Us by the Trail of Dead e Rose City Band
Resenha: Sepultura - Quadra
Dois discos: Poliça e Drive-By Truckers
Resenha: Green Day - Father of All...
Resenha: Kiko Dinucci - Rastilho
Resenha: Pet Shop Boys - Hotspot


Depois vem a primeira de três grandes canções do disco. "Instant Destiny" tem muito do Tame Impala antigo, em que os poucos efeitos só eram um complemento ao que a banda fazia ao trazer outros elementos musicais como base. É das melhores faixas lançadas pela banda, assim como no quase tratado sobre o tempo chamado "Tomorrow’s Dust". Mas a grande faixa do disco é "Lost in Yesterday" que, ao ter elementos de R&B e lembrar muito Prince, coloca o compositor em outro patamar™.

Parker é desses que lança um single, mas não tem vergonha de atualizá-lo se necessário. É o caso da dançante "Borderline". Ou de usar uma autorreferência, misturar elementos de trabalhos passados na mesma música, como em "Posthumous Forgiveness". O cantor, compositor e arranjador parece ter descoberto um novo caminho para aumentar seu âmbito criativo ao misturar coisas que já fez com coisas novas.

O álbum consegue fluir muito bem entre melancolia e animação, apontando que Parker sabe muito bem para qual tipo de público ele deseja para si. Mas, ao mesmo tempo, ele também relembra o início do projeto ao inserir elementos de discos anteriores nessa mistura. O Tame Impala segue fazendo bons álbuns e "The Slow Rush" entra na lista, definitivamente.

Tracklist:

1 - "One More Year"
2 - "Instant Destiny"
3 - "Borderline"
4 - "Posthumous Forgiveness"
5 - "Breathe Deeper"
6 - "Tomorrow’s Dust"
7 - "On Track"
8 - "Lost in Yesterday"
9 - "Is It True"
10 - "It Might Be Time"
11 - "Glimmer"
12 - "One More Hour"

Avaliação: muito bom



Continue no blog:



Siga o blog no Twitter e no Facebook e assine o canal no YouTube. Compre livros na Amazon e fortaleça o trabalho do blog!

Gostou do post? Compartilhe nas redes sociais e indique o blog aos amigos!