Mais do blog:

quinta-feira, 27 de fevereiro de 2020

Resenha: Greg Dulli - Random Desire


O Afghan Whigs não é exatamente o tipo de banda que venderá milhões de discos por aí, mas é exatamente o tipo de banda que, descoberta no momento certo, muda vidas. O grupo está parado desde a morte do guitarrista Dave Rosser em 2017, ano de lançamento de "In Spades", e isso deu ao vocalista Greg Dulli tempo para pensar. E tempo o suficiente para lançar o primeiro disco solo da carreira que já ultrapassou a barreira dos 30 anos.

"Random Desire" foi construído como o mundo de hoje permite: é o trabalho de um homem só em tudo. Desde a concepção aos instrumentos, Dulli fez de tudo para colocar esse trabalho nas melhores praças do ramo. E é possível ver há todo tipo de sentimento no trabalho. Da raiva ao amor, o vocalista não se fez de rogado em transformar seus sentimentos mais profundos em arte. É o tipo de disco em que é possível sentir o que ele sentiu em cada música, em cada nota.

Veja também:
Resenha: Ozzy Osbourne - Ordinary Man
Resenha: Bombay Bicycle Club - Everything Else Has Gone Wrong
Dois discos: Wolf Parade e Black Lips
Resenha: Tame Impala - The Slow Rush
Dois discos: ...And You Will Know Us by the Trail of Dead e Rose City Band
Resenha: Sepultura - Quadra


Esse trabalho solo deixa ainda mais claro que Dulli gosta de ser um músico indecifrável. É impossível definir um gênero musical aqui, já que ele vai de um lado para o outro em vários aspectos musicais. A abertura é forte, potente e gritada, enquanto "Sempre" pula para uma balada melancólica no violão tão melancólica que Robert Smith poderia ser, ou é, o padrinho intelectual da faixa com bastante tranquilidade.

Musicalmente, é um dos discos mais bonitos do ano. Dulli conseguiu inserir muitos instrumentos em pequenos elementos para construir grandes momentos melódicos -- delicados como em "Marry Me" ou mais fortes como na ótima "Scorpio" -- sem perder o fio da meada como um todo. Aliás, é um dos méritos na construção do trabalho é seguir uma determinada linha e colocar muitos elementos sem se perder nesse processo.

Mas é em "The Tide" que é possível ouvir o melhor momento do trabalho. Em uma mistura de poesia e desabafo, a quarta faixa de "Random Desire" mostra que o vocalista, perto de completar 55 anos, ainda consegue escrever uma grande canção do início ao fim. E também mostra de onde o Kings of Leon pegou quase todas as ideias de músicas.

Greg Dulli tem muito tempo de carreira e só lançou o primeiro disco solo agora. E é o tipo de material que nem sabia que precisava até ouvir pela primeira vez. Melodicamente impecável, "Random Desire" soa o momento perfeito para o vocalista usar de toda sua habilidade musical para desabafar. E acerta muito ao fazer isso aqui.

Tracklist:

1 - "Pantomima"
2 - "Sempre"
3 - "Marry Me"
4 - "The Tide"
5 - "Scorpio"
6 - "It Falls Apart"
7 - "A Ghost"
8 - "Lockless"
9 - "Black Moon"
10 - "Slow Pan"

Avaliação: muito bom



Continue no blog:



Siga o blog no Twitter e no Facebook e assine o canal no YouTube. Compre livros na Amazon e fortaleça o trabalho do blog!

Gostou do post? Compartilhe nas redes sociais e indique o blog aos amigos!