Mais do blog:

quarta-feira, 19 de junho de 2019

Qualidade de gravações era trunfo na música popular dos anos 1970


Um dos lançamentos da nova edição do In-Edit Brasil é a série-documental História Secreta do Pop Brasileiro, do jornalista André Barcinski. É um ótimo documentário para mostrar como a música é feita muito mais por heróis e heroínas anônimos do que pelos famosos, uma número muito pequeno perto de quem realmente rala pesado para fazer a coisa acontecer ao longo de todo processo.

Ao ver a série, acabei tendo uma vontade incrível de ouvir alguns do sucessos que essas pessoas gravaram. Um deles é "Grilo na Cuca", conhecida na voz do cantor Dudu França. Ele foi um desses personagens que passou por muita coisa e trabalhou bastante até chegar ao sucesso de uma música em português. E uma das coisa que chama muito a atenção é a qualidade das gravações.

Veja também:
Ao esconder perda de material inestimável para música, Universal mostra que só lucro importa
Maroon 5 entrega pior show da história do intervalo do Super Bowl
O último show dos Beatles
O fim do Ministério da Cultura
A década com Spotify e como ficou difícil romper a bolha
A relevância dos números nas paradas em tempos de streaming
Aretha Franklin fez história ao ser 1ª mulher no Hall da Fama do Rock


Uma gravação não era uma brincadeira em um computador em que há várias possibilidades. "Grilo na Cuca", por exemplo, começa com um coral cantando e palmas até Dudu França entrar de vez na música. Ao fundo, é possível ouvir uma banda cheia de ritmo e sabendo exatamente o precisa ser feito para fazer uma gravação de alta qualidade.

Era uma época em que os grandes vendedores, como Nelson Gonçalves, Nelson Ned e outros, sustentavam o pessoal da Tropicália e financiava esse tipo de projeto. Era uma época em que uma música simples como "Grilo na Cuca" era levada muito a sério por todo mundo -- do produtor aos músicos. Não é por ser uma música simples, animada e feita para ser popular que merecia desprezo. Havia cuidado em fazer uma gravação realmente boa para tocar no rádio.

Isso mudou quando só o dinheiro começou a importar, quando um sucesso precisou ser substituído por outro o mais rápido possível. Quando a indústria começou a focar só em obter lucro, não na qualidade de seus trabalhos. Uma música simples não precisa ser algo simplório. Qualidade sempre foi, e sempre será, algo fundamental em uma canção. Seja ela no novo disco do Paul McCartney, seja com Dudu França e "Grilo na Cuca".




Siga o blog no Twitter e no Facebook e assine o canal no YouTube. Compre livros na Amazon e fortaleça o trabalho do blog!

Saiba como ajudar o blog a continuar existindo

Gostou do post? Compartilhe nas redes sociais e indique o blog aos amigos!

Continue no blog: