terça-feira, 5 de junho de 2018

Resenha: Father John Misty – God's Favorite Customer


Quarto disco de estúdio chega pouco mais de um ano após o anterior

God's Favorite Customer é o quarto disco de estúdio de Josh Tillman como Father John Misty. E ele não se importou nenhum pouco em ir se transformando para mudar o caminho dessa persona ao longo dos anos, principalmente em I Love You, Honeybear (2015) e Pure Comedy (2017). Uma característica a ser percebida logo de cara é como ele molda o trabalho de acordo com a situação, não o oposto. Se o disco lançado há pouco mais de um ano tem 74 minutos de duração e é o mais longo de sua carreira, o novo trabalho tem apenas 38 minutos e é o mais curto.

"Hangout at the Gallows" abre o disco mostrando como Father John Misty é bem caprichoso quando o assunto é arranjo. Em uma letra que toca em escolhas no mundo atual, ele apresenta o tema de forma muito suave e simples, mas, ao mesmo tempo, muito rico em detalhes. A riqueza melódica continua em "Mr. Tillman", letra em terceira pessoa sobre um responsável por um hotel conversa com o senhor Tillman sobre sua peculiar passagem pelo local – no caso, é uma história adaptada da vida de Father John Misty, que morou dois meses em um hotel quando descobriu que estava com depressão.

Veja também:
Resenha: Courtney Barnett – Tell Me How You Really Feel
Resenha: Lake Street Dive – Free Yourself Up
Resenha: Leon Bridges – Good Thing
Resenha: Ben Harper e Charlie Musselwhite – No Mercy in This Land
Resenha: Manic Street Preachers – Resistance Is Futile
Resenha: Tal National – Tantabara
Resenha: Ty Segall – Freedom's Goblin


"Just Dumb Enough to Try" já é uma das melhores canções da discografia de Father John Misty. Ao falar que ele é estúpido o suficiente para continuar tentando certas coisas, mesmo sabendo que é inteligente o suficiente para não precisar mais delas. O jeito como ele transmite a mensagem, principalmente o jeito como a harmonia é trabalhada, credencia a faixa para ser uma das melhores do ano.

Curta, "Date Night" tem bom ritmo e vai na mosca ao narrar um encontro um pouco estranho, enquanto "Please Don't Die" é outra faixa absurda desse álbum. Trazendo um tom mais religioso, a canção aborda diretamente a depressão do cantor e traz no refrão a perspectiva da esposa aflita (Oh, and honey, I'm worried 'bout you/ You're too much to lose/ You're all that I have/ And honey, I'm worried 'bout you/ Put yourself in my shoes/ You're all that I have so please don't die/ Wherever you are tonight).

A visão sobre não querer sair do hotel para se afundar ainda mais na tristeza aparece em "The Palace", nome do lugar onde o cantor ficou. O clima sombrio da canção e da letra mostram como a depressão é coisa séria e merece atenção. Às vezes, a pessoa está bem por fora, mas a parte mental está bem afetada pela doença. Em "Disappointing Diamonds Are the Rarest of Them All", Father John Misty usa de metáforas nada peculiares para falar sobre amor (petroleiro vazando em alto mar, por exemplo) e como nem sempre um diamante é o símbolo ideal de algo verdadeiro.

"God's Favorite Customer" começa com um clima bem religioso para falar sobre como a religião está dentro das pessoas, mesmo muitas delas não acreditando. O cantor ficou bem perto de virar pastor quando jovem, porém abandonou a escola onde estudava. Então, ele pergunta se essa devoção não vale nada para o presente, quando ele enfrenta sérios problemas. Outra canção absurdamente boa, das melhores do ano.

Mais uma vez, Father John Misty coloca sua vida pessoal em uma faixa. "The Songwriter" mostra como a vida de um compositor não é fácil, já que um relacionamento ou tristeza rendem boas canções, porém não é fácil conviver com isso na realidade. E, de novo, o jeito em que ele traz isso é muito único – nesse caso, a faixa é carregada de melancolia. E "We're Only People (And There's Not Much Anyone Can Do About That)" fecha o disco seguindo a linha da anterior, só que ainda mais pesada.

Incrível como Father John Misty conseguiu condensar toda sua tristeza e momentos de depressão em um dos melhores discos do ano. Bem arranjado, com letras tocantes e inspirado, o curto trabalho mostra como é possível fazer um álbum excelente sem precisar de muita coisa.

Tracklist:

1 - "Hangout at the Gallows"
2 - "Mr. Tillman"
3 - "Just Dumb Enough to Try"
4 - "Date Night"
5 - "Please Don't Die"
6 - "The Palace"
7 - "Disappointing Diamonds Are the Rarest of Them All"
8 - "God's Favorite Customer"
9 - "The Songwriter"
10 - "We're Only People (And There's Not Much Anyone Can Do About That)"

Avaliação: excelente




Me siga no Twitter e no Facebook e assine o canal no YouTube. Compre livros na Amazon e fortaleça o trabalho do blog!

Saiba como ajudar o blog a continuar existindo

Gostou do post? Compartilhe nas redes sociais e indique o blog aos amigos!