No YouTube

quarta-feira, 8 de fevereiro de 2017

Resenha: Soen – Lykaia


Terceiro álbum de estúdio da banda saiu recentemente

Juntem alguns bons nomes da nova cena do metal e pronto, temos uma banda. Formado por Martin Lopez, Stefan Stenberg, Joel Ekelöf, Marcus Jidell e Lars Åhlund, o Soen já nasceu com bastante moral na imprensa especializada – ainda mais depois da boa estreia com Cognitive (2012). O trabalho seguinte, Tellurian (2014), deu a certeza de que eles fariam um bom trabalho. Com certa expectativa, Lykaia foi lançado na última semana.

"Sectarian" abre o disco de maneira lenta, cadenciando o ritmo. O vocal entre logo, e bateriam e baixo dominam as ações iniciais da faixa. A coisa acelera na metade final com a chegada da guitarra mais alta, além de ganhar um tom épico típico do heavy metal escandinavo – uma parte da banda é de lá, então acaba sendo um movimento extremamente natural por parte deles nesse novo registro da banda.

Veja também:
Resenha: Elbow – Little Fictions
Resenha: Flo Morrissey e Matthew E. White – Gentlewoman, Ruby Man
Resenha: Foxygen – Hang
Resenha: Aurelio – Darandi
Resenha: Sepultura – Machine Messiah
Resenha: The xx – I See You
Resenha: Flaming Lips – Oczy Mlody


Logo depois vem "Orison", que começa cheia de peso, mas ganha um ar celta em uma parte e fica mais lenta, carregada de riffs e uma longa parte em que a guitarra domina, até o final.Terceira faixa, "Lucidity" tem um ar carregado de melancolia. Bem executada, consegue chamar a atenção exatamente por ser diferente das anteriores.

Já "Opal" surge e não é tão boa quanto as outras, mas deve agradar por ter uma estrutura mais simples e um refrão épico. A próxima, "Jinn" também tem uma estrutura bem simples, apesar de não boa como as primeiras, ainda é melhor do que a anterior – e ainda tem uma influência da música do Oriente Médio nos minutos finais, sempre algo bom de ouvir quando bem usado no ocidente.

A percussão inicial de "Sister" impressiona, apontando um caminho bem legal para o Soen no futuro – o refrão fácil, à la System of a Down (Soad), ajuda a decorar a letra mais rápido. Parece mesmo que o Soad encarnou aqui e é possível quase ouvir o vocalista Serj Tankian em "Stray". A faixa é apenas regular, enquanto "Paragon" usa recursos apresentados antes para encerrar o álbum.

Dentro de sua proposta para o disco, consequentemente as músicas, o Soen faz tudo muito bem. Não tem nada fora do lugar e só uma faixa é abaixo das outras. Se a intenção é criar riffs e melodias lentas e mesclá-las com elementos mais suaves, eles entregam um trabalho acima da maioria.

Tracklist:

1 - "Sectarian"
2 - "Orison"
3 - "Lucidity"
4 - "Opal"
5 - "Jinn"
6 - "Sister"
7 - "Stray"
8 - "Paragon"

Nota: 3,5/5



Gostou do post? Compartilhe nas redes sociais e indique o blog aos amigos!