No YouTube

quarta-feira, 18 de janeiro de 2017

Resenha: The xx – I See You


Trio lançou novo material de inéditas após cinco anos

Romy Madley Croft, Oliver Sim e Jamie Smith são a atual formação do The xx, que lançou I See You na última sexta-feira (13), e estavam há cinco anos sem nenhum álbum de estúdio. Pelo longo tempo sem material novo, veio com o grupo um fenômeno que geralmente acontece com bandas que anunciam a aposentadoria e retornam alguns anos depois: de repente, começaram a falar do The xx como se fosse um dos grandes do início desta década – não foram, claro.

Foram quatro audições e foi difícil finalizar todas. O disco soa muito arrastado, quando não indica um momento épico que nunca chega de fato. Em "Dangerous" temos aquele tipo de canção grudenta, justamente para fazer o ouvinte ir até o fim. Eles têm bastante mérito nessa faixa em especial, mas fica só nisso. "Say Something Loving" é pedante e cansativa, já "Lips" diminui o ritmo e usa elementos de percussão para dar o tom. Mesmo assim, a coisa não melhora muito.

Veja também:
Resenha: Flaming Lips – Oczy Mlody
Resenha: Bob Dylan – Fallen Angels
Resenha: Mano Brown – Boogie Naipe
Resenha: Neil Young – Peace Trail
Resenha: Emeli Sandé – Long Live the Angels
Resenha: Justice – Woman
Resenha: Lestics – Torto


"A Violent Noise" mantém o registro sonolento e sem graça. Eles não dão o passo para transformar a faixa em uma balada poderosa, nem conseguem induzir o ouvinte a entender a proposta deles. É difícil seguir adiante, porque qualquer boa expectativa já foi para o lixo. "Performance" e "Replica" não se ajudam muito ao serem fracas de todos os pontos de vista – desde a letra até a estética.

Não é nada, mas mudem os efeitos, coloquem a voz da Lana Del Rey e "Brave for You" poderia estar em algum disco dela. Nem precisa ser um gênio para saber que "On Hold" será o grande sucesso desse disco e das baladas indies até o próximo sucesso acontecer. Todos os elementos necessários para grudar na cabeça de um público consumidor muito específico está aqui, então, por pior que seja, irá bem no nicho que deseja alcançar. "I Dare You" e "Test Me" encerram o registro não muito melhor do que começou.

Todos os problemas dessa nova música jovem aparecem aqui. Pretencioso e cheio de firulas, não tem uma proposta musical coerente e não tem uma música agradável de ouvir do início ao fim. Mas, tenham certeza, estará nas principais listas de melhores de 2017. Por qual motivo eu não sei, pois esse disco inteiro é pura perda de tempo.

Tracklist:

1 - "Dangerous"
2 - "Say Something Loving"
3 - "Lips"
4 - "A Violent Noise"
5 - "Performance"
6 - "Replica"
7 - "Brave for You"
8 - "On Hold"
9 - "I Dare You"
10 - "Test Me"

Nota: 1/5



Gostou do post? Compartilhe nas redes sociais e indique o blog aos amigos!