No YouTube

quinta-feira, 15 de dezembro de 2016

Resenha: Mano Brown – Boogie Naipe


Disco solo do rapper está cheio de participações especiais

Mano Brown é um dos caras mais importantes do rap brasileiro. Por isso, quando seu disco solo foi anunciado, logo pensaram em algo na linha do que ele fez nos Racionais ao longo de mais de 20 anos de carreira. Mas não é o caso. Em Boogie Naipe, ele usa e abusa de vários elementos de sucesso dos anos 1970 – da dance music ao soul de James Brown passando pelo R&B e por muito da música que encanta o mundo até hoje.

A introdução do início serve para colocar na cabeça do ouvinte que o disco solo de Mano Brown será cheio de suingue e bem dançante, como no caso de "Gangsta Boogie". Aqui temos algo bem anos 1970, do tempo da discoteca, da calça boca de sino e de Tim Maia. Claro que o rapper não deixou de fazer umas rimas, mas não é o principal. "Mal de Amor" e "Boa Noite São Paulo" mantêm o ritmo inicial, suficiente para manter a atenção do ouvinte – todas cheias de referências fáceis nas letras.

Veja também:
Resenha: Neil Young – Peace Trail
Resenha: Emeli Sandé – Long Live the Angels
Resenha: Justice – Woman
Resenha: Lestics – Torto
Resenha: Rolling Stones – Blue & Lonesome
Resenha: Moby & The Void Pacific Choir – These Systems Are Failing
Resenha: Joe Driscoll & Sekou Kouyate – Monistic Theory

De melodia mais pesada, "Mulher Elétrica" tem um Brown aparecendo pela primeira vez como vocalista de fato de seu próprio disco. Com apoio dos vocais, o refrão gruda na cabeça e te segue por algumas horas, mas é difícil superar a encantadora e melancólica "Foi Num Baile Black" - a participação de Hyldon só aumenta a qualidade. Duas canções seguidas com Seu Jorge, "Louis Lane" (uma das melhores do ano) e "Dance, Dance, Dance", mostram todo potencial dançante da união de Brown com vários nomes importantes, apesar de musicalmente diferentes.

As baladas "Flor do Gueto", "La Onda" e "Nova Jerusalém" trazem a suavidade para diminuir o ritmo e colocar as coisas no lugar, além de fazer pensar um pouco na vida e nas pessoas ao nosso redor. "Nave Mãe" retoma o ritmo dançante e depois há um interlúdio ("Por Mim e Não Por Elas"), mas "Adicto" surge com um ritmo mais pesado e mostra que Brown não esqueceu o lado Racionais dentro de si. A lenda Leon Ware ajuda na balada "Felizes/ Heart 2 Heart", uma faixa suave, bem interessante e muito dentro da proposta do álbum.

"Amor Distante" ganhou duas versões boas versões - a segunda é um blues que chama bem a atenção. "De Frente pro Mar" é um samba e mostra que, ao explorar muitas possibilidades, Mano Brown fez as escolhas certas. O acréscimo da guitarra em "Você e Eu... Só!" deu um toque muito anos 1970 à faixa, o que torna tudo mais divertido. "Felizes" mostra a mão pesada de Brown nas rimas ao tratar da vida no encerramento.

Interessante e explorando muitas possibilidades musicais, Mano Brown só peca em ser um coadjuvante em seu próprio trabalho. Por outro lado, ele soa como um mestre de cerimônias, alguém que tem o trabalho de agregar talentos. Ao não ser o destaque, ele abre caminho para todos os convidados brilharem. E é exatamente isso que faz toda a engrenagem funcionar. Ao não se sentir mais importante do que ninguém ao longo das faixas, esse disco é uma colaboração entre amigos que funciona e encanta.

Tracklist:

1 - "Sinta-se Bem com o Boogie Naipe" (Part. Wilson Simoninha)
2 - "Gangsta Boogie" (Part. Lino Krizz)
3 - "Mal de Amor" (Part. Lino Krizz, Ellen Oléria)
4 - "Boa Noite São Paulo" (Part. Lino Krizz, William Magalhães)
5 - "Mulher Elétrica" (Part. William Magalhães)
6 - "Foi Num Baile Black" (Part. Hyldon, Lino Krizz)
7 - "Louis Lane" (Part. Seu Jorge, William Magalhães)
8 - "Dance, Dance, Dance" (Part. Don Pixote, Seu Jorge)
9 - "DJ Vitória Rios" (Part. Vitória Rios)
10 - "Flor do Gueto" (Part. Lino Krizz, Max de Castro)
11 - "La Onda" (Part. Lino Krizz, Nelson Conceição)
12 - "Nova Jerusalém" (Part. Carlos Dafé, Mara Nascimento, Dado Tristão, Lino Krizz)
13 - "Nave Mãe" (Part. Lino Krizz, Ellen Oéria)
14 - "Por Mim e Não Por Elas"
15 - "Adicto" (Part. Dado Tristão)
16 - "Felizes/ Heart 2 Heart" (Part. Leon Ware)
17 - "Amor Distante" (Rap Mix) (Part. Lino Krizz)
18 - "Amor Distante" (Blues Mix) (Part. Lino Krizz)
19 - "De Frente pro Mar" (Part. Lino Krizz)
20 - "Você e Eu... Só!" (Part. Lino Krizz)
21 - "Boogie Naipe, Baby!"
22 - "Felizes"

Nota: 4,5/5



Gostou do post? Compartilhe nas redes sociais e indique o blog aos amigos!




Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...