No YouTube

quinta-feira, 8 de dezembro de 2016

Resenha: Justice – Woman


Novo álbum do duo demorou cinco anos para sair

Na onda do sucesso da música eletrônica no meio dos anos 1990, muitos duos e bandas com essa temática apareceram. Uma delas foi o Justice, formado pela dupla Gaspard Augé e Xavier de Rosnay. Com Cross (2007) e Audio, Video, Disco (2011), eles conseguiram sucesso em um mercado cada vez mais dominado por Skrillex, deadmau5, Diplo e outros nomes da nova cena. Cinco anos sem um novo trabalho pode ser motivo para ser esquecido por quem não acompanha tanto, mas não para eles, que lançaram Woman recentemente.

"Safe and Sound" começa com um baixo muito ativo, soando algo muito próximo do Chic em seus melhores momentos. Um início interessante, que mostra uma expansão de horizontes por parte da dupla em inserir novos elementos em suas gravações. Mais dançante ao melhor estilo Justice, "Pleasure" é uma boa faixa e só, enquanto "Alakazam!" é puro saudosismo dos anos 1990.

Veja também:
Resenha: Lestics – Torto
Resenha: Rolling Stones – Blue & Lonesome
Resenha: Moby & The Void Pacific Choir – These Systems Are Failing
Resenha: Joe Driscoll & Sekou Kouyate – Monistic Theory
Resenha: Macaco Bong – Macaco Bong
Resenha: David Crosby – Lighthouse
Resenha: A Tribe Called Quest - We Got It from Here... Thank You 4 Your Service

Até que "Fire" pode empolgar alguns, mas está abaixo das outras por soar comum e até um pouco sem sal – não empolga, e isso é um problema em músicas desse tipo. Mas "Stop" surge e, apesar de não ser do estilo da anterior, traz um acréscimo interessante nas melodias e no uso de recursos para ajudar a letra. Sem o menor pudor, "Chorus" te leva para dentro de uma rave dos anos 1990 em algum lugar deserto da Europa. E até que funciona, no fim das contas.

Se "Randy" começa devagar e melhora na metade final, "Heavy Metal" tem um quê de anos 1970 absurdo ao soar um material não aproveitado do Boston. "Love S.O.S." é animadinha, mas não passa disso. E "Close Call" apresenta uma harmonia muito bonita e consegue dar um final digno ao novo registro do Justice.

O trabalho começa bem, mas o problema está no meio irregular. E isso quebra todo clima do disco. Além disso tudo, é muito longo e cansa na metade – uns dez minutos mais curto e resolveria o problema. Para minha decepção, é apenas um álbum regular.

Tracklist:

1 - "Safe and Sound"
2 - "Pleasure" (featuring Morgan Phalen of Diamond Nights)
3 - "Alakazam!"
4 - "Fire" (featuring M. Yaman)
5 - "Stop" (featuring Johnny Blake)
6 - "Chorus"
7 - "Randy" (featuring Morgan Phalen of Diamond Nights)
8 - "Heavy Metal"
9 - "Love S.O.S." (featuring Romuald)
10 - "Close Call"

Nota: 2,5/5



Gostou do post? Compartilhe nas redes sociais e indique o blog aos amigos!




Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...