No YouTube

sexta-feira, 16 de dezembro de 2016

Resenha: Bob Dylan – Fallen Angels


Cantor gravou o segundo disco seguido com standards da música americana

Cumprindo o prometido, Bob Dylan lançou o segundo disco apenas com versões de canções conhecidas na voz da Frank Sinatra (1915 – 1998). O primeiro, Shadows in the Night, foi bem recebido pela maior parte da crítica e do público. Fallen Angels saiu em maio, mas só consegui ouvi-lo recentemente. E por isso, e uma incrível coincidência do destino, será a última resenha de 2016.

"Young at Heart" foi um single lançado por Sinatra em 1953, no início do ressurgimento de sua carreira, que bateu um milhão de cópias vendidas. Também nome de um filme com Doris Day, a faixa ganhou um arranjo sublime na versão de Dylan. A retomada serviu para o cantor de standards descobrir que poderia cantar a melancolia da vida, como em "Maybe You’ll Be There", de 1957. Aqui, a complexidade da melodia, cheia de pequenos detalhes, faz toda diferença.

Veja também:
Resenha: Mano Brown – Boogie Naipe
Resenha: Neil Young – Peace Trail
Resenha: Emeli Sandé – Long Live the Angels
Resenha: Justice – Woman
Resenha: Lestics – Torto
Resenha: Rolling Stones – Blue & Lonesome
Resenha: Moby & The Void Pacific Choir – These Systems Are Failing

Outro famoso clássico da música americana, "Polka Dots and Moonbeams" também ganhou sua leve versão - a longa introdução dá uma charme a mais. Mas uma das melhores do álbum é "All the Way", em que é quase possível acreditar que Dylan é o dono dela. Das 22 faixas gravadas em dois registros, apenas "Skylark" não foi interpretada por Sinatra. Como não há o parâmetro das outras, há menos pressão e comparações aqui. "Nevertheless" é mais uma de arranjo leve que não empolga tanto, enquanto "All or Nothing at All" retoma a melancolia em uma balada típica dos anos 1940 de sucesso. "On a Little Street in Singapore" e "It Had to Be You" também não empolgam muito.

A grande faixa do disco é "Melancholy Mood", talvez a que melhor tenha se encaixado em todos os quesitos. Tomara que Dylan a inclua em seu repertório de apresentações, porque é a melhor gravação que ele fez de clássicos de Sinatra. Outra que ficou muito boa é "That Old Black Magic", um swing jazz bem dançante e animado, e "Come Rain or Come Shine" fecha o disco prometendo ficar com o amor em todos os momentos - faça chuva ou sol.

Se tem um disco que pode ficar tocando na festa de Natal da sua casa, caso você comemore, é esse. Mesmo ligeiramente inferior ao anterior, ainda é mais um bom registro de como Bob Dylan ainda se diverte fazendo música.

Tracklist:

1 - "Young at Heart" (Johnny Richards, Carolyn Leigh)
2 - "Maybe You’ll Be There" (Rube Bloom, Sammy Gallop)
3 - "Polka Dots and Moonbeams" (Jimmy Van Heusen, Johnny Burke)
4 - "All the Way" (Van Heusen, Sammy Cahn)
5 - "Skylark" (Hoagy Carmichael, Johnny Mercer)
6 - "Nevertheless" (Harry Ruby, Bert Kalmar)
7 - "All or Nothing at All" (Arthur Altman, Jack Lawrence)
8 - "On a Little Street in Singapore" (Peter DeRose, Billy Hill)
9 - "It Had to Be You" (Isham Jones, Gus Kahn)
10 - "Melancholy Mood" (Walter Schumann, Vick R. Knight, Sr.)
11 - "That Old Black Magic" (Harold Arlen, Mercer)
12 - "Come Rain or Come Shine" (Arlen, Mercer)

Nota: 3,5/5



Gostou do post? Compartilhe nas redes sociais e indique o blog aos amigos!




Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...