No YouTube

quinta-feira, 3 de novembro de 2016

Resenha: Odair José – Gatos e Ratos


Veterano cantor disponibilizou novo álbum no final da última semana

Depois do lançamento do último álbum de estúdio, a carreira de Odair José ganhou novo fôlego perto dos 70 anos. Ele já estava sendo revistado, principalmente depois de sua grande apresentação no Theatro Municipal, na Virada Cultural, em 2013. Se Dia 16 recolocou luz em um dos grandes músicos populares da história do Brasil, Gatos e Ratos chega para consolidar esse momento de ressurgimento de uma carreira das mais interessantes.

Assim como no trabalho anterior, o disco começa com a faixa título. De boa melodia, ela tem o início de uma história narrada pelo cantor - aliás, ele é um grandes cronistas do cotidiano, um tradutor de momentos usuais, de pessoas simples. Tudo isso rola tendo um belo riff de guitarra acompanhando o piano. "Carne Crua" e "Moral Imoral" formam uma sequência de canções que parecem ter saído de algum momento dos anos 1970. Simples na mensagem e na letra, com destaque para a segunda – uma interessante faixa sobre o comportamento de uma parte da população.

Veja também:
Resenha: Tom Zé – Canções Eróticas de Ninar
Resenha: Lady Gaga – Joanne
Resenha: Sabotage – Sabotage
Resenha: Norah Jones – Day Breaks
Resenha: Leonard Cohen – You Want It Darker
Resenha: Two Door Cinema Club – Gameshow
Resenha: Kings of Leon – Walls

Quem conseguiria escrever uma canção sobre o trânsito de maneira tão bonita e direta? Em "Trânsito", Odair José transforma todas as frustrações do dia a dia maluco em que vivemos em letra. A potente "Segredos" e a melódica "A Culpa é do Henrique" são apenas medianas e apenas preenchem um espaço, sem muito acréscimo na parte musical. A seguinte, "Cobrador de Impostos", tem um quê de anos 1960 e dá uma animada ao criticar os altos impostos cobrados pelos governos.

A balada "A Cor do Pecado" é uma crônica do cotidiano de fatos que ocorrem no nosso cotidiano e, de tão corriqueiros, acabam sendo considerados normais. Mas eles não deveriam ser, e Odair José joga luz nisso. "Açúcar Mascavo" é mais uma regular, mas, para compensar, a épica "Livre" é uma das mais belas faixas já escritas pelo compositor em sua carreira. De arranjos muitos bonitos, a letra trata de como é importante ser livre de certas amarras, que são parte dos defeitos e virtudes de cada um de nós, para não pré-julgarmos ninguém.

Clique aqui para ler mais resenhas

Apesar de não estar no mesmo nível do anterior, esse novo álbum de Odair José tem seus momentos. Não é ruim, mas também não é excepcional. É um bom disco, com boas músicas e deve ser suficiente para incrementar ainda mais as apresentações.

Tracklist:

1 - "Gatos e Ratos"
2 - "Carne Crua"
3 - "Moral Imoral"
4 - "Trânsito"
5 - "Segredos"
6 - "A Culpa é do Henrique"
7 - "Cobrador de Impostos"
8 - "A Cor do Pecado"
9 - "Açúcar Mascavo"
10 - "Livre"

Nota: 3/5



Gostou do post? Compartilhe nas redes sociais e indique o blog aos amigos!




Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...