No YouTube

quinta-feira, 28 de abril de 2016

Resenha: Explosions in the Sky – The Wilderness


Banda retorna com novo disco de inéditas após trabalho em trilhas sonoras

Muito mais do que uma banda instrumental, o Explosions in the Sky consegue colocar sentimentos, sensações e sentidos em forma de música – e de maneira muito tocante, tenra e serena. The Wilderness é o sétimo disco de estúdio do grupo, sem contar as quatro colaborações recentes em trilhas sonoras feitas nos últimos anos.

A futurista "Wilderness" abre o disco de maneira serena e usa bem o recurso de misturar elementos comuns e não usuais na música popular para construir uma sólida base para apresentar o trabalho ao ouvinte. E eles seguem nessa toada na seguinte, "The Ecstatics", que é mais agitada e mais recheada de instrumentos para formar uma bela melodia. "Tangle Formations" fecha o trio inicial, que soa muito como uma enorme canção com quase 20 minutos de duração.

Em "Logic of a Dream", temos um ar mais clássico, quase uma ópera indie, e muito mais soturno do que as três primeiras. Parece mesmo uma peça ou uma obra dividida em três partes em que o suspense fica todo na metade – no caso, três músicas. De refrão instrumental grudento, "Disintegration Anxiety" é a mais pop e a mais fácil de ser ouvida, pois é bem simples e, ao mesmo tempo, amarra bem o conteúdo do álbum. E "Losing the Light" retoma o lado mais obscuro e misterioso logo na sequência.

"Infinite Orbit" segue uma linha de priorizar instrumentos estranhos, já "Colors in Space" é muito bonita, épica e uma das boas canções lançadas pela banda nos últimos anos. Nona e última canção, "Landing Cliffs" coloca um bonito ponto final em outro ótimo álbum do Explosions in the Sky.

Às vezes, e isso não é mentira, eles soam um pouco repetitivos. Mas eles conseguem fazer muito apenas usando instrumentos, o que muitas bandas não fazem usando o dicionário inteiro.

Tracklist:

1 - "Wilderness"
2 - "The Ecstatics"
3 - "Tangle Formations"
4 - "Logic of a Dream"
5 - "Disintegration Anxiety"
6 - "Losing the Light"
7 - "Infinite Orbit"
8 - "Colors in Space"
9 - "Landing Cliffs"

Nota: 4/5



Veja também:
Resenha: Anthony Hamilton - What I'm Feelin'
Resenha: Parquet Courts – Human Performance
Resenha: Kaada/Patton – Bacteria Cult
Resenha: PJ Harvey – The Hope Six Demolition Project
Resenha: Anoushka Shankar – Land Of Gold
Resenha: Mike and The Melvins – Three Men and A Baby
Resenha: Weezer – Weezer (The White Album)


Gostou do conteúdo? Compartilhe nas redes sociais! Isso ajuda pra caramba o blog a crescer e ter a chance de produzir mais coisas bacanas.

Siga o autor no Twitter