No YouTube

terça-feira, 26 de abril de 2016

Resenha: Parquet Courts – Human Performance


Quinto disco do grupo saiu há alguns dias

Ser uma banda do Brooklyn traz muita responsabilidade para ela, especialmente para o Parquet Courts. Eles começaram sendo um grupo punk, mas, nos últimos dois anos, vêm flertando com a new wave e todas as suas nuances e algo próximo do desenvolvido pelo Velvet Underground nos anos 1960. Apesar de não parecer, Human Performance é o quinto álbum de estúdio deles, que só emplacaram certo sucesso em 2014.

"Dust" abre o disco de maneira animada e serve bem para apresentar esse novo álbum. A faixa não evolui e mantém a mesma pegada do início ao fim, sendo quase uma peça artística de uma cor só. Eles mudam na seguinte, a faixa-título do trabalho, quando a suavidade aparece de maneira clara em todos os aspectos. Uma balada bonitinha, até.

Bem cara de new wave, "Outside" é curta, direta e reta, sem muito para pensar, porém não é veloz e não chega perto de ser um punk, enquanto "I Was Just Here" é bem alternativa – para falar o mínimo. Ainda em marcha lenta, "Paraphrased" não empolga muito, mesmo com as guitarras altas. E "Captive of the Sun" e “Steady on My Mind" seguem o caminho da anterior.

Mais longa de todo disco, "One Man No City" funciona bem por mostrar boas características da banda, que mais tentou emular o Velvet Underground do que qualquer coisa até agora – a parte instrumental é muito, muito boa. As coisas aceleram bem na ótima "Berlin Got Blurry", essa empolga do início ao fim e tem grande chance de fazer o ouvinte dançar junto.

"Keep It Even" tem a guitarra muito explorada na construção da lenta melodia, e "Two Dead Cops" tem o ar punk esperado e que fez a banda ser conhecida. Beirando deboche, mas aquele bem engraçado, "Pathos Prairie" é outra ótima canção do disco relegada ao final. A melancólica "It's Gonna Happen" encerra de maneira bem triste – uma surpresa, diga-se.

O Parquet Courts apresentou outro bom disco. E só. Eles ainda não ultrapassaram aquela linha entre sair do circuito alternativo para algo maior e mais popular. Esse álbum é mais lento e mostra outro lado do grupo, ainda que não empolgue em todos os momentos.

Tracklist:

1 - "Dust"
2 - "Human Performance"
3 - "Outside"
4 - "I Was Just Here"
5 - "Paraphrased"
6 - "Captive of the Sun"
7 - "Steady on My Mind"
8 - "One Man No City"
9 - "Berlin Got Blurry"
10 - "Keep It Even"
11 - "Two Dead Cops"
12 - "Pathos Prairie"
13 - "It's Gonna Happen"

Nota: 3/5



Veja também:
Resenha: Kaada/Patton – Bacteria Cult
Resenha: PJ Harvey – The Hope Six Demolition Project
Resenha: Anoushka Shankar – Land Of Gold
Resenha: Mike and The Melvins – Three Men and A Baby
Resenha: Weezer – Weezer (The White Album)
Resenha: The Last Shadow Puppets – Everything You've Come to Expect
Resenha: Charles Bradley – Changes

Gostou do conteúdo? Compartilhe nas redes sociais! Isso ajuda pra caramba o blog a crescer e ter a chance de produzir mais coisas bacanas.

Siga o autor no Twitter