No YouTube

terça-feira, 15 de março de 2016

Resenha: Wild Nothing – Life Of Pause


Terceiro álbum da banda saiu em fevereiro

O indie dançante do Wild Nothing não passa batido nos sites especializados nesse tipo de música desde os primeiros singles deles. Depois dos dois primeiros trabalhos, Gemini (2010) e Nocturne (2012), o grupo retorna às atividades depois de quatro anos com um novo álbum de inéditas chamado Life Of Pause, lançado em meados de fevereiro.

A boa para dançar "Reichpop" abre o pacote do novo trabalho, já mostrando a que veio logo de cara. E emenda com "Lady Blue", de bom ritmo e bem chamativa. Nenhum das duas é espetacular, mas mostra que a banda está afiada na proposta que deseja levar ao público – e isso não é errado, ao contrário. A seguinte, "A Woman's Wisdom", é mais lenta e beira o dream pop por ser cheia de efeitos.

Curta, veloz e amorosa: "Japanese Alice" mostra o amor por parte do Wild Nothing em ótimas música e letra, já "Life of Pause" e "Alien" soam repetitivas e sem graça porque são apenas regulares ao apresentarem elementos ultrapassados da música indie. Com quase seis minutos, "To Know You" funciona bem ao construir a melodia em cima da guitarra destilando o riff.

"Adore" entrega o prometido – uma longa faixa com pouca letra e muita parte instruumental –, enquanto "Whenever I" funciona muito melhor aos ouvidos. E o encerramento "Love Underneath My Thumb" é muito bom e fecha bem o novo álbum da banda.

É aquele tipo de disco lembrado por poucas pessoas, mas é divertido e legal – exatamente como o Wild Nothing é.

Tracklist:

1 - "Reichpop"
2 - "Lady Blue"
3 - "A Woman's Wisdom"
4 - "Japanese Alice"
5 - "Life of Pause"
6 - "Alien"
7 - "To Know You"
8 - "Adore"
9 - "TV Queen"
10 - "Whenever I"
11 - "Love Underneath My Thumb"

Nota: 3/5



Veja também:
Resenha: Poliça – United Crushers
Resenha: Violent Femmes – We Can Do Anything
Resenha: Tedeschi Trucks Band – Let Me Get By
Resenha: Ra Ra Riot – Need Your Light
Resenha: School Of Seven Bells – SVIIB
Resenha: Yuck – Stranger Things
Resenha: Batushka – Litourgiya (2015)

Gostou do conteúdo? Compartilhe nas redes sociais! Isso ajuda pra caramba o blog a crescer e ter a chance de produzir mais coisas bacanas.