No YouTube

terça-feira, 8 de março de 2016

Resenha: Violent Femmes – We Can Do Anything


Disco é o primeiro da banda em mais de 15 anos

A banda punk Violent Femmes é aquele tipo de grupo que vai e volta com imensa facilidade. O último retorno deles aconteceu em 2013 para uma turnê especial, que, claro, virou uma oportunidade de gravar um disco de inéditas. A formação atual conta com os membros originais Gordon Gano (guitarrista e vocal) e Brian Ritchie (baixo), e o novo baterista John Sparrow. We Can Do Anything é o nono disco de estúdio deles.

Quase 16 anos depois, eles retornam com um disco acústico. Sim, isso mesmo, você não leu errado. Esse novo trabalho do trio é, basicamente, violão e bateria, com a guitarra dando um auxilio ou outro na melodia. A faixa de abertura "Memory" mostra bem isso, mas "I Could Be Anything" está mais para música celta para animar festa. É o caso: não é uma maravilha, mas é divertido.

A sequência "Issues" e "Holy Ghost" colocam agitação no álbum – por incrível que pareça, até que o violão dá conta de tudo. Romântica, quase beirando o brega, "What You Really Mean" é bonitinha, mas não deixa de ser esquisito o fato de uma banda punk tocar esse tipo de música com direito a solo de piano acompanhado por saxofone.

"Foothills" é bem ordinária, apesar de bonitinha. E "Traveling Solves Everything" envolve mais o ouvinte com o uso de instrumentos diferentes, beirando o experimental, e "Big Car" retoma o ritmo do início do disco com uma música bem agitada. "Untrue Love" é muito boa e tudo funciona muito bem, e é até engraçada ver uma letra de amor cantada assim. Um country, isso mesmo, "I'm Not Done" encerra bem o trabalho.

Não é o disco esperado, mas é divertido. Claro, ser divertido não significa que seja bom, por isso algumas coisas atrapalham, como as faixas do meio serem abaixo do esperado. No fim das contas, o Violent Femmes prova que pode fazer o que quiser e lida bem com isso.

Tracklist:

1 - "Memory"
2 - "I Could Be Anything"
3 - "Issues"
4 - "Holy Ghost"
5 - "What You Really Mean"
6 - "Foothills"
7 - "Traveling Solves Everything"
8 - "Big Car"
9 - "Untrue Love"
10 - "I'm Not Done"

Nota: 2,5/5



Veja também:
Resenha: Tedeschi Trucks Band – Let Me Get By
Resenha: Ra Ra Riot – Need Your Light
Resenha: School Of Seven Bells – SVIIB
Resenha: Yuck – Stranger Things
Resenha: Batushka – Litourgiya (2015)
Resenha: Animal Collective – Painting With
Resenha: Wolfmother – Victorious

Gostou do conteúdo? Compartilhe nas redes sociais! Isso ajuda pra caramba o blog a crescer e ter a chance de produzir mais coisas bacanas.