No YouTube

quarta-feira, 16 de março de 2016

Resenha: Iggy Pop – Post Pop Depression


Cantor lança seu novo disco de inéditas após quatro anos

Iggy Pop não lançava um trabalho solo há quatro anos. No período, se reuniu com os Stooges mais uma vez em um disco de inéditas e saiu em turnê solo. E sem Lemmy Kilmister e David Bowie, “ele virou o último entre os únicos”, como disse Josh Homme recentemente. Aliás, foi o líder do Queens of the Stone Age o responsável por Post Pop Depression, 17º disco de estúdio de uma das vozes do punk americano.

Logo de cara, em "Break Into Your Heart", é fácil sacar a influência de Homme no disco. Esse tipo de faixa, muito carregada e pesada (ao melhor estilo desert rock), é a cara do QOTSA, Kyuss e Them Crooked Vultures, bandas com o envolvimento dele em algum lugar. Ela soa como uma abertura para "Gardenia", a primeira de duas boas canções do disco. De refrão grudento, funciona bem nesse início.

É interessante como Josh Homme se envolve nos projetos. Ele nunca tenta retomar o melhor ou fazer algo diferente, Homme sempre coloca suas ideias e o pessoal aceita bem. "American Valhalla", por exemplo, não é um tipo de música que Iggy Pop cantaria em sua carreira solo, porém, com o tipo de trabalho feito aqui, faz todo sentido ela estar presente. Diferente da esquecível e sem graça "In the Lobby".

"Sunday" funciona, apesar de não impressionar muito – a jam na metade da faixa é bem boa e mostra força para ser ainda melhor ao vivo. O toque acústico, quase profético, de "Vulture" mostrar uma nova faceta Iggy Pop em vários aspectos, já "German Days" é uma revisão do passado usando uma melodia bem grudenta e forte.

Outra pouco chamativa é "Chocolate Drops" – bonitinha, mas só isso. Então, ele reserva a melhor de todas para fechar o disco: "Paraguay". A capela, o início é bom e melhor ainda mais quando a guitarra suave entra para dar ritmo a um Iggy Pop quase poético. Até que a canção fica ainda mais lenta e pesada, quase um heavy metal, enquanto o vocal à Lou Reed domina completamente. Um final inesperado e bonito para um disco que corresponde bem às expectativas.

Tracklist:

1 - "Break Into Your Heart"
2 - "Gardenia"
3 - "American Valhalla"
4 - "In the Lobby"
5 - "Sunday"
6 - "Vulture"
7 - "German Days"
8 - "Chocolate Drops"
9 - "Paraguay"

Nota: 3/5



Veja também:
Resenha: Wild Nothing – Life Of Pause
Resenha: Poliça – United Crushers
Resenha: Violent Femmes – We Can Do Anything
Resenha: Tedeschi Trucks Band – Let Me Get By
Resenha: Ra Ra Riot – Need Your Light
Resenha: School Of Seven Bells – SVIIB
Resenha: Yuck – Stranger Things


Gostou do conteúdo? Compartilhe nas redes sociais! Isso ajuda pra caramba o blog a crescer e ter a chance de produzir mais coisas bacanas.