No YouTube

quinta-feira, 4 de fevereiro de 2016

Resenha: Wet – Don't You


O Wet é aquele tipo de banda que se conheceu na faculdade através de amigos em comum. Depois de um EP lançado em 2014, o trio formado por Kelly Zutrau, Joe Valle e Marty Sulkow colocou no mercado Don't You, estreia deles na gravadora Columbia. Recentemente, eles foram atração musical do Tonight Show comandado por Jimmy Fallon.

"It's All in Vain" abre o disco de maneira lenta, bem lenta. O ritmo até aumenta, não o suficiente para agradar e sair do marasmo, e "Deadwater" mantém a lentidão – soa um disco gravado em algum ponto entre os anos 1980 e 1990 com duas baladas gravadas na sequência.

Mais uma das lentas, "Don't Wanna Be Your Girl" não agrada por ser bem sonolenta e sem graça, e "Waek" até que funciona – a primeira que realmente é legal e até vicia um pouco. Mas a lentidão e sonolência retornam como um soco de Rocky Balboa na chatíssima "Island", uma quase cópia do repertório de Lana Del Rey. E o marasmo segue na péssima "All the Ways".

"Small and Silver" não se salva em nenhum momento, "You're the Best" é bem passável e "Move Me" é ruim. Uma sequência tão ruim que supera até mesmo a franquia de Velozes de Furiosos. Para encerrar, a péssima "Body" e a melancólica e boa "These Days" no piano fecham o pacote com 11 músicas.

Um disco ruim, chato, sonolento, desinteressante e com apenas duas músicas boas. Me sacrifiquei por vocês, então fiquem longe desse disco.

Tracklist:

1 - "It's All in Vain"
2 - "Deadwater"
3 - "Don't Wanna Be Your Girl"
4 - "Waek"
5 - "Island"
6 - "All the Ways"
7 - "Small and Silver"
8 - "You're the Best"
9 - "Move Me"
10 - "Body"
11 - "These Days"

Nota: 1/5



Veja também:
Resenha: Rihanna – Anti
Resenha: Jesu & Sun Kil Moon – Jesu/Sun Kil Moon
Resenha: Suede – Night Thoughts
Resenha: Savages – Adore Life
Resenha: Federico Albanese - The Blue Hour
Resenha: Baaba Maal – The Traveller
Resenha: The Temperance Movement – White Bear

Gostou do conteúdo? Compartilhe nas redes sociais! Isso ajuda pra caramba o blog a crescer e ter a chance de produzir mais coisas bacanas.