No YouTube

quarta-feira, 27 de janeiro de 2016

Resenha: Savages – Adore Life


O primeiro disco das Savages, Silence Yourself, é muito legal. E elas formam uma banda legal não só por ter um disco legal, mas pela atitude no palco – parece um clichê do tamanho da China falar em atitude ou esse tipo de coisa, apesar de estar bastante em falta hoje em dia. O show delas no Lollapalooza Brasil de 2014 foi daqueles arrebatadores, mesmo em um horário ruim e vendo pela TV. Por isso, Adore Life, segundo disco de estúdio delas, é cercado de expectativas.

"The Answer" abre o disco com uma guitarra e vocal pesados de Jehnny Beth dando o tom da faixa, uma boa porrada para aquecer. De início sereno, "Evil" tem um quê de punk, um pouco de noise e funciona bem para manter o ritmo da primeira canção – a explosão na segunda metade é bem chamativa.

Já "Sad Person" traz muito do improviso e influência do tipo de música feita nos anos 1970, principalmente a de bandas como Velvet Underground, e o estilo artístico segue na ótima "Adore" – melhor do disco. Meio reggae, “Slowing Down The World" não é tão boa assim, mas elas compensam bem em "I Need Something New", essa totalmente formatada para ser um punk de primeira.

Linear do início ao fim, "When In Love" é daquelas que fará um imenso sucesso nas apresentações, ainda mais se vier depois de outra canção agitada na sequência. Um ponto a ser destacado é como as Savages trabalham a transição do punk para o noise, e isso é feito em duas canções ("Surrender" e "T.I.W.Y.G."). Estranhas para um ouvido não acostumado com esse tipo de coisa, elas têm uma beleza muito peculiar.

A melancólica "Mechanics" encerra o disco muito bem para mostrar que as Savages conseguiram passar bem pela prova do segundo disco. Espero vê-las em breve no Brasil.

Tracklist:

1 - "The Answer"
2 - "Evil"
3 - "Sad Person"
4 - "Adore"
5 - “Slowing Down The World"
6 - "I Need Something New"
7 - "When In Love"
8 - "Surrender"
9 - "T.I.W.Y.G."
10 - "Mechanics"

Nota: 3,5/5



Veja também:
Resenha: Federico Albanese - The Blue Hour
Resenha: Baaba Maal – The Traveller
Resenha: The Temperance Movement – White Bear
Resenha: Hinds – Leave Me Alone
Resenha: David Bowie – Blackstar
Resenha: Sunn O))) – Kannon (2015)
Resenha: Baroness – Purple (2015)

Gostou do conteúdo? Compartilhe nas redes sociais! Isso ajuda pra caramba o blog a crescer e ter a chance de produzir mais coisas bacanas.